Publicado em 15/02/2016 as 12:00am

Brasileiros perdem tudo em incêndio nas Martha´s Vineyard

Entre as perdas, está um cãozinho da raça Husky Siberiano, de apenas um ano de idade

Duas famílias ficaram desalojadas após um grande incêndio destruir uma casa na noite de quinta-feira (11). Isso aconteceu em Edgatown, nas Martha´s Vineyard, no 282 Edgartown–Vineyard Haven Road esquina com a Pennywise Path. As vítimas são brasileiras e perderam tudo. Mas comunidade local se uniu para ajudar. Os bombeiros agiram rápido para apagar o fogo, mas eles não conseguiram salvar um cãozinho da raça Husky Siberiano, que morreu queimado.

Durante a ação, um bombeiro se feriu e foi levado para o Martha´s Vineyard Hospital para avaliação médica. Ele foi medicado e liberado posteriormente, de acordo com uma nota enviada pelo Corpo de Bombeiros de Edgartown.

Os primeiros bombeiros a chegarem ao local relataram um enorme incêndio no segundo andar do prédio, conforme o comunicado do Corpo. A polícia informou que todos os ocupantes não estavam em casa no momento do fogo. “As chamas foram controladas cerca de 20 minutos depois que a equipe chegou. Mas algumas unidades permaneceram lá até depois de tudo apagado”, disse uma nota.

O congelamento das linhas de água foi uma grande preocupação, mas não afetou o esforço das equipes. O prédio pertence à advogada Rosemarie Haigazian, a qual ligou para agradecer e elogiar o trabalho dos bombeiros. “Tiro o meu chapéu para eles", disse ela. "estava tão frio e eles foram corajosos e conscientes e fizeram tudo o que podiam”, continuou.

A casa era ocupada por duas famílias brasileiras. Rodrigo Honorato, 21, vivia no andar de cima com seu pai, sua mãe e seu amado cachorro chamado Beamer, um husky siberiano. José Carlos Dias e Janete Dias, o filho João Lucas, de 3 anos, e a filha Leiliane, de 10, viviam no andar de baixo.

Honorato informou que na manhã de quinta, antes do incêndio, ele ouviu a geladeira fazer um som estranho. Ele, que trabalha para uma empresa de aquecimento e ar condicionado, disse que retornou para casa do trabalho e se preparou para ir ao “Boys and Girls Club” para jogar futebol de salão. "Era como se eu soubesse que algo estava para acontecer", disse ele ao jornal The Times. "Deixei meu cão Beamer em casa e antes de sair o segurei firme e disse para ele ser um bom menino. Peguei nas pequenas bochechas e disse o quanto eu o amava", continuou.

Durante o jogo, ele não se sentiu bem e resolveu ir embora mais cedo. “Eu não estava tendo um bom desempenho e sentiu algo me chamando para casa", afirmou. Quando ele entrou no prédio, viu o fogo, que ele suspeita ter começado na geladeira, em andamento. Honorato desceu correndo as escadas para alertar Janete Dias, que estava em casa com seus dois filhos.

O marido dela ainda estava no trabalho e ela e seus filhos estavam na sala de estar. A brasileira estava ao telefone falando com um amigo quando sentiu o cheiro um forte odor. "Eu senti o cheiro de borracha queimada e foi um cheiro muito forte", disse ela. "Nosso vizinho de cima, Rodrigo, veio correndo para nos alertar que a sua casa estava queimando”, continuou.

Quando Honorato desceu, viu chamas que aparecem através da janela do segundo andar. A mãe e as crianças correram para fora em completo pânico. As crianças estavam de pijama e descalças. "Eu corri para fora da casa com os meus filhos que já estavam de pijama e não tinha sapatos; meu filho mais novo não tinha sequer uma camisa, e meu marido ainda estava no trabalho", disse ela. "Eu comecei a andar quando vi um homem dirigindo uma caminhonete. Ele parou, tirou a camisa para dar a meu filho, me pediu para ficar dentro de seu carro, uma vez que estava muito frio, e ele chamou a polícia e os bombeiros. Eles chegaram muito rápido", acrescentou a brasileira.

Mais tarde, naquela noite, Janete foi capaz de entrar na casa e recuperar os únicos itens não destruídos ou danificados pelo fogo: algumas roupas, duas Bíblias e uma pasta com todos os documentos importantes da família, incluindo certidões de nascimento e passaportes. “Só isso não queimou... perdemos tudo”, disse.

Ela disse que é grata a Deus por ter enviado o homem da camionete, que ela nem sabe o nome e nem se quer lembra-se do rosto, mas “será eternamente grata”. Um ex-patrão permitiu que a família fique em sua casa de verão nas próximas duas semanas.

Honorato ainda está devastado com a perda de seu cãozinho. Sua mãe, que depois que soube do fogo, fez planos de voltar do Brasil para Vineyard e vai ficar com a família. "Estou com o coração partido", disse ele. "Eu ganhei o meu cão no momento em que minha família estava emocionalmente abalada, pois tínhamos acabado de perder minha avó. Sou muito grato que estamos todos vivos e bem; apesar de termos perdido tudo, tudo o resto vai ser substituído, e, eventualmente, Deus e o tempo vai curar-nos desta terrível tragédia. Eu só ainda não consigo acreditar Beamer se foi”, continuou.

A comunidade tem ajudado com contribuições de vestuário, gift cards do Stop and Shop, dinheiro e brinquedos. Meire Nunes do grupo brasileiro no Facebook chamado Brazukada também conseguiu algumas doações e entregou para as vítimas. Para mais informações sobre como ajudar ambas as famílias, ligue para Honorato no telefone (781) 856-5021.

Fonte: Martha's Vineyard Times - by: Nelson Sigelman e Juliana Germani