Publicado em 19/02/2016 as 12:00am

"Advogado preconceituoso" volta a atacar mineiros e goianos que moram nos EUA

Para Miguel Ferreira, estes imigrantes são a "escória brasileira e lixo exportado para o exterior"

Há algum tempo o Brazilian Times divulgou várias reclamações concernentes ao “suposto” advogado Miguel Ferreira. Segundo as denúncias, ele estaria oferecendo serviços para conseguir Vistos, só que não cumpria com os prazos e ainda ameaçava as pessoas. Mas o que chamou a atenção naquela época foram os ataques proferidos por ele contra a comunidade mineira de um modo generalizado.

Passou-se o tempo e novamente ele volta a aparecer e com a mesma língua afiada contra os mineiros. Mas desta vez ele encaixou em seus ataques os goianos. Durante uma discussão gerada em uma página no Facebook, Miguel chegou a falar que encontrou uma nova maneira de qualificar os brasileiros que vivem no exterior, inclusive nos Estados Unidos. “Não será mais chamado de brazuca, mas sim de brazika”, disse ele fazendo analogia a doença que tem feito muitas vítimas no Brasil.

O suposto advogado ainda explica que “a forma mais severa de desta doença (brazika) é oriunda de Minas Gerais e Goiás”. Ele continua seus ataques chamando esta comunidade de caipira e danosa. Em seus comentários preconceituosos, ele critica a forma de conversa de pessoas destas regiões e cita palavras como “trem e oh sô” para continuar seus ataques.

Miguel afirma ainda que os mineiros e goianos têm a capacidade cognitiva afetada, ou seja, ele quis dizer que eles não conseguem entender, assimilar, relacionar ou se conectar como todo o universo a sua volta. Além disso, ele afirma que os goianos e mineiros tem a parte neurológica afetada, pois não obedecem regras de conduta social ou comercial.

Falando sobre seu trabalho, Miguel afirma que trabalhar com processos administrativos relacionados a Visto e que o perfil de sua clientela é o pior possível. “Normalmente constituída pela escória da sociedade brasileira. Notadamente: mineiros e goianos. Como sempre digo, o Brasil exporta lixo humano”, disse.

Os comentários geraram uma intensa revolta nas redes sociais e alguns internautas chegaram a afirmar que e Miguel não é advogado e já foi acusado de vários crimes de estelionato. Em sua página no Facebook diz que ele atua em São Paulo, mas o BT pesquisou no site da Ordem dos Advogados deste estado e não encontrou informações que batem com as divulgadas por ele. Existem dois profissionais com o nome de Miguel Ferreira e nenhum deles é o que está na foto do Facebook do “preconceituoso”.

Segundo uma internauta, trata-se de uma pessoa que atende pelo nome de Vladimir Alexandre Ferreira Tamarindo e se apresenta nas redes sociais como advogado Miguel Ferreira, residente no Brasil e que pode conseguir Visto para os Estados Unidos.

Ele afirmou para uma de suas clientes que é credenciado junto à Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, mas através de um texto conseguido por ela, o órgão informou que não se responsabiliza pelas ações destes profissionais. “A inclusão nesta lista não representa um endosso do Departamento de Estado ou da Embaixada/Consulados. Os nomes são listados alfabeticamente e a ordem em que aparecem não têm outro significado. As informações na lista sobre credenciais, áreas de atuação e habilidade no idioma são fornecidas diretamente pelos advogados. Você pode receber informações adicionais sobre os indivíduos contatando a ordem dos advogados local (ou seu equivalente)”, disse o comunicado.

Ainda segunda uma denunciante que relatou abusos por parte deste suposto advogado, quando ele fornece dados de uma conta no Banco Santander, surge o nome de Vladimir Alexandre Ferreira Tamarindo. Através de uma pesquisa no Google, foram encontradas várias reclamações e processos por estelionatos contra ele. O suposto profissional também tem uma conta no Mercado Livre, onde vende produtos, mas não entrega, segundo denúncias no site “Reclame”.

Fonte: braziliantimes.com