Publicado em 9/03/2016 as 12:00am

Morre a jornalista Miryam Wiley

Morre a jornalista Miryan Wiley

Da redação

Natural de São João Del Rei (Minas Gerais), a jornalista Miryam Wiley faleceu no domingo (06). A morte desta profissional significa uma grande perda, pois ao longo dos anos, ela escreveu o seu nome na história e participou de momentos importantes da comunidade brasileira. Segundo amigos da família, ela perdeu uma luta de longa data contra um câncer.

Miryam era jornalista formada na Universidade Federal de Minas Gerais, estava radicada há mais de três décadas nos Estados Unidos, onde formou-se outra vez em jornalismo no Metropolitan State College of Denver.  Ela foi repórter da TV Globo, escreveu para jornal The Wellesley Townsman, e durante dez anos teve a coluna “In America” no Metrowest Daily News, contando principalmente sobre os imigrantes indocumentados da região de Boston. 

Ela também escreveu para o Brazilian Times, onde formou uma grande amizade com os funcionários e a direção deste noticioso. Além disso, Miryam trabalhou no Grupo Mulher Brasileira, onde formou uma bonita parceria com Heloísa Galvão. “Queria ter um pouco de sua bondade, de sua energia e determinação”, disse a amiga.

A ativista qualifica Miryam como uma “amiga, irmã, companheira e uma inspiração para todos que tiveram o privilégio de conhecê-la”.

O ativista e diretor da Central do Trabalhador Imigrante Brasileiro (CTIB), Márcio Porto, lamentou a morte e disse que recebeu a notícia com profunda tristeza. “Nós da CTIB sentimos muito da morte da companheira Miryam Weiley, uma non-profit, jornalista, experiente, que estava sempre empenhada nas assessorias de várias entidades brasileiras em Massachusetts. Ela foi uma das fundadoras do Centro do Imigrante Brasileiro, e hoje fazia parte da diretoria do Grupo da Mulher Brasileira. Há muito tempo ela vinha lutando contra um câncer e venceu algumas batalhas”.

Márcio disse que se lembra que no último curso que ela ministrou na CTIB, mesmo debilitada, foi até o fim. “Vá com Deus guerreira. Você foi uma das melhores pessoas que tive o prazer de conhecer nesse país”, finaliza emocionado.

A Jornalista Shirleu Nigri Farber disse que sentiu-se muito abalada com a notícia e que ficou surpresa. “Sempre que a encontrava, ela estava sorrindo, cheio de energia e bom humor”, lembra.

O colunista do Brazlian Times, Wolfgang Tomich, disse que “acordei nessa terça-feira, dia 08, muito feliz em poder comemorar com tantas mulheres que ama e admira, o Dia Internacional da Mulher”. Mas para ele, infelizmente esse ano não será igual aos que passaram, pois foi pego de surpresa com o falecimento da grande amiga Miryam Wiley. “Nós nos conhecemos no final dos anos 80, numa situação muito inusitada. Eu nem sonhava um dia escrever para o Brazilian Times, nem que ela era jornalista. Em 1993 foi morar na área de Framingham (MA) e a reencontrei trabalhando para o Metro Daily News. Rimos muito do nosso primeiro encontro e selamos ali nossa amizade. Com suas colunas, ela mostrou muito a beleza e a força da nossa comunidade que começava a dar seus primeiros passos”, fala.

O Pastor Walter Mourisso disse que não tinha muito contato com Miryam, mas admirava a história que ela construiu na comunidade. “Uma mulher ativa, sempre presente nos eventos e que levava o nome do Brasil de uma forma positiva para a comunidade imigrante. Ela era forte e dinâmica e isso a diferenciava. Infelizmente perdemos uma pessoa de grande importância”, fala.

Miryam deixa o marido Bruce e as filhas Andrea e Katherine.

Fonte: Redação