Publicado em 15/03/2016 as 4:00pm

Quais os contratempos de viver nas melhores cidades do mundo?

"Às vezes me sinto sozinho no paraíso"

Em Vancouver, Canadá, inexiste o medo de assalto à mão armada, o transporte coletivo e outros serviços públicos são de alta qualidade, compra-se uma boa casa a preço justo e as belezas naturais completam um cenário de quase perfeição urbana. Quase.

"Às vezes me sinto sozinho no paraíso", diz o comediante de stand-up Mau Scatolini, 36. Há 13 anos, ele deixou São Paulo para morar na cidade canadense, que ocupa a 5ª colocação em um ranking mundial de qualidade de vida, divulgado na semana passada pela Mercer, uma consultoria global de recursos humanos.

O clima frio e a chuva constante detonam o humor de Scatolini. Mas não só isso. "Aqui, as pessoas são estranhas, desconectadas e muito frias. Não é uma cidade onde as pessoas fazem amizade com facilidade", diz Scatolini, que já foi casado com uma canadense. "O pessoal aqui é meio devagar, no Brasil a gente tem essa gana, essa coisa latina, já o canadense é um povo... um povo bundão", completa.

As melhores cidades do mundo para se viver oferecem ótimas condições de moradia, saúde, educação e meio ambiente. Mas uma cidade também é formada pela rede de relacionamentos que se constrói nela. Para a analista de sistemas da Microsoft, Helene Pietz, 32, este é o único senão de se viver em Munique (4º). "O principal para um brasileiro que chega aqui é a falta de calor humano. Os alemães são pessoas muito reservadas, você leva mais de um ano para conseguir se aproximar", diz Helene.

Filha de um alemão, ela decidiu deixar o Brasil há 2,5 anos, após sofrer três assaltos à mão armada. "Aqui eu me sinto segura, faço tudo de bicicleta, no verão, e apesar do aluguel ser caro, comer é barato e existem várias opções culturais gratuitas". Mas admite: "o inverno poderia ser mais curto, em vez de seis meses de frio, três já estaria de bom tamanho"

Comércio fecha cedo em Viena e Genebra

Desde 2014, Viena é a melhor cidade do mundo para se viver, de acordo com o ranking. A mineira Raquel Oliveira, 30, mora há cinco anos na capital austríaca e concorda com a avaliação da Mercer: ela se sente feliz em uma cidade "fantástica", organizada e limpa, onde não precisa de carro para se locomover, tamanha a qualidade do transporte público.

Mas isso não significa que ela não passe por apertos. "um ponto muito negativo é o horário de abertura de lojas e supermercados: normalmente tudo fecha às 19h, e no sábado, às 17h, e não abre nos domingos e feriados! Para quem trabalha requer bastante planejamento", diz a coordenadora de fornecimento responsável em uma multinacional de embalagens e rótulos de bebidas feitos de alumínio.

Assim como em Vancouver e Munique, uma amizade demora a se estabelecer: "os austríacos, especialmente os vienenses, são no geral pessoas frias e fechadas. É muito difícil fazer amizades, mas também quando se consegue é algo verdadeiro".

Ex-morador de Zurique (2º) e atualmente em Genebra (8º) há 3 anos, o executivo paulista Silvio Dulinsky, 44, também teve que se adaptar aos horários "pouco convenientes" dos comércios suíços. Por volta das 20h, quase não há ninguém nas ruas."Às vezes se tem a sensação de estar vivendo numa pequena cidade do interior", diz

Diretor responsável pela relação do Fórum Econômico Mundial com o setor privado na Europa, Eurásia e América Latina, ele chega em sete minutos no escritório quando vai de moto; vinte, se for de bicicleta. Outra vantagem da cidade é o bom uso dos impostos pelos gestores públicos, além da inexistência de casos de corrupção. "Em Genebra a vida é mais simples, tranquila, segura e internacional. Também há muito contato com natureza e se vive num ambiente de muita beleza, tanto natural como urbana", afirma. "Em São Paulo há mais energia, dinamismo e alegria", acrescenta.

Transporte em Auckland é caro e ineficiente

A arquiteta Fernanda Jorge, 27, trabalha como assistente de cozinha em um café na Galeria de Arte de Auckland (3º), cidade neozelandesa, de 1,4 milhão de habitantes, segundo dados da ONU. A vasta área verde é um dos atrativos do lugar. Porém o transporte é caro e ineficiente, na avaliação da paulistana que saiu do Brasil há um ano. "Os trechos são cobrados por área, e para percorrer 5 km paga-se muito. No centro o aluguel é caro, mas é possível alugar casas boas com preços acessíveis nos bairros", diz

No ranking da Mercer, nenhuma cidade brasileira chegou ao TOP 100. A mais bem colocada é Brasília, que ocupa a 106ª colocação. Em 117º lugar, está o Rio de Janeiro. São Paulo aparece na 121ª posição, enquanto Manaus, na 125ª. Os quatro municípios ficaram atrás de cidades dos vizinhos sul-americanos, como Montevidéu (78º lugar), Buenos Aires (93º) e Santiago (94º).

Dos entrevistados pelo UOL, apenas o humorista Mau Scatolini pretende voltar ao Brasil em breve. Apesar das dificuldades de se viver em uma megalópole como São Paulo, ele garante que retornará no mês setembro, no máximo. E sobre esta decisão ele fala sério: "Vancouver é uma cidade que te oferece várias coisas, é tudo lindo, maravilhoso, mas chega uma hora que cansa [morar fora do Brasil]. Minha família está aí e é no Brasil que eu vou seguir minha carreira".

 

Fonte: uol.com.br