Publicado em 25/03/2016 as 12:25pm

Brasileiros em MA falam sobre crise política no Brasil

País fica dividido em meio a acusações de corrupção e proteção de acusados

Nas últimas semanas o Brasil tem vivido um momento muito tenso no seu cenário político e até o assunto de uma possível crise social foram abordadas pelos meios de comunicação e entidades em geral. O motivo é simples: de um lado está a Polícia Federal e o Juiz Sérgio Moro e do outro o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e vários acusados de corrupção. Mas a briga partiu para as ruas e o país ficou dividido.

Manifestações pediam a prisão do ex-chefe do executivo e uma suposta quadrilha que rouba o Brasil durante anos. Mas também foram às ruas, manifestantes atacando a Polícia federal e em defesa do líder petista.

Esta divisão gera medo, pois o estopim foi aceso e a qualquer momento pode haver até confronto físico entre os manifestantes. Basta a polícia colocar Lula na prisão ou o Supremo Tribunal Federal(STF) destituir Moro de suas funções nesta investigação.

Mas será que os Brasileiros que moram nos Estados Unidos também estão divididos? O Brazilian Times conversou com algumas pessoas para saber qual a opinião delas sobre a atual situação política brasileira.

 

CESARIO

O mestre em Jiu-Jitsu Césario de Souza afirmou que a situação do Brasil está muito difícil. Para ele, é inadmissível políticos eleitos pelo povo se juntarem para derrubar um juiz que quer apenas acabar coma corrupção. “Andei conversando com algumas pessoas, entre eles o mestre de capoeira Tico-tico. Todos acham que a situação do Brasil é difícil, mas todos estão envolvidos no problema”.

Para ele, que é natural do Espírito Santo, não há uma pessoa correta para assumir as rédeas da nação e governa de forma séria com a confiança e o respeito da população. “Infelizmente as provas estão aí e tanto Governo quanto oposição foram denunciados”, disse.

O mestre foi mais além sobre seus comentários e disse que “as Forças Armadas acabarão assumindo o poder”. Ele cita que isso é uma situação muito delicada e muito perigosa e que a solução do Brasil depende apenas do brasileiro. “Como diz o nosso Hino, um filho teu não foge à luta”, ressalta.

 

MÁRCIO PORTO

O produtor de jornalismo Franklin Lauriano, que mora em Weymouth (Massachusetts) analisa a administração do ex-presidente Lula (os oito anos de seu governo) o capacita para ser um bom Ministro diante da atual situação em que se encontra o país. “Mas esta nomeação demorou a acontecer e veio em meio a tanta polêmica e possível mandato de prisão, dando a entender que não foi coincidência”, disse.

Para ele, a população está indignada diante de tantos escândalos gerados pelas investigações e vazamentos de gravações que provam mais ainda que existe um esquema forte para proteger os corruptos denunciados. “É muito perigoso dar um posicionamento contra ou a favor do Governo, pois esta população é uma massa de manobra tanto contrária ou favorável e pelo fato do Brasil estar atolado em corrupção, pode ser considerado um golpe da oposição contra a presidente Dilma”, alertou.

Para dar suporte ao seu raciocínio, ele lembra que país acreditou no “Japonês da Federal”, o qual recentemente decepcionou a todos. “Estava indo tudo bem, mas o vazamento das gravações às vésperas da posse de Lula como Ministro deu um novo rumo na história e mostrou um desespero tanto por parte da Polícia Federal e do juiz Sergio Moro”, ressalta.

Franklin afirma que Moro poderia ter esperado e enviado toda a sua investigação para o Supremo. “Mas o que ele fez caracterizou golpe e transformou o Brasil como se fosse facções de favelas do Rio de Janeiro, que lutam por territórios. Não sabemos mais em quem confiar”, finaliza.

 

FRANKLIN

O ativista polícia e ex-membro do Partido dos Trabalhadores, Márcio Porto afirmou que o PT está mostrando que os protestos vindos das ruas é um mero detalhe. Para ele, a nomeação de Lula para o Ministério da Casa Cívil expõe uma fratura entre o Governo e a sociedade.

Porto lembra que a estratégia de blindagem de Lula, ao conquistar foro privilegiado assumindo um Ministério, foi inaugurada pelo próprio ex-presidente petista, que em 2004 fez uma manobra para proteger o mesmo Meirelles de ser investigado por suspeitas de fraude em contratos para ocultar o crescimento exponencial do patrimônio.

“Na época, para evitar que o então chefe da autoridade monetária pudesse ter seus sigilos quebrados por ordem da justiça, Lula editou uma medida provisória conferindo status de Ministro ao cargo de presidente do Banco Central e levou o caso para o Supremo Tribunal Federal”, fala ressaltando que lá o episódio envolvendo Meirelles, suspeito de crime contra a ordem tributária, acabou arquivado.

Ele alerta a comunidade que Dilma e Lula não entregarão o poder de mãos beijas e o Brasil pode estar caminhando para “um golpe de esquerda a lá Venezuela”.

 

MAX

Para o produtor de eventos Max Willian, “não há mais dúvidas de que tem algo podre no poder”. Para ele ficou claro que a indicação de Lula para assumir um Ministério foi uma maneira de protegê-lo. “Adquirindo foro privilegiado ele passa a ser investigado pelo Supremo Tribunal, onde oito dos 11 juízes oito foram indicados por Lula e Dilma. Isso quer dizer que eles podem inocentá-los para agradecer a indicação”, disse.

Max ressalta que não há mais o que esconder e que todos as denúncias foram provadas, através de gravações telefônicas, contas bancárias, documentos e testemunhas. “Infelizmente nosso país está sendo governado por uma quadrilha que fará de tudo para não perder o poder”, afirma.

O produtor acrescenta, ainda, que se “realmente Lula fosse inocente e não tivesse nada a dever e quisesse ajudar o Brasil, ele deveria esperar a conclusão da s investigações, para depois então assumir qualquer cargo público”.

Max cita a responsabilidade da população em tudo que está acontecendo com o Brasil. “O povo possui o governo que merece. No Brasil, o povo trabalha em média cinco meses ao ano para pagar os impostos e sustentar governantes corruptos e ladrões. Reclamam, reclamam e logo chega Fevereiro e esquecem de tudo, pois é carnaval - "Tá tudo tranquilo, tá tudo favorável- vamos entrar no ritmo da Vingadora e dançar a ‘Metralhadora’”, finaliza.

 

JULIO MORAIS

Da mesma forma que os demais, pensa o ativista Júlio Morais. Ele afirma que a indicação de Lula para a Casa Civil foi "uma manobra radical, onde a Presidente da República acabou rasgando a Constituição Brasileira para defender um político que está sob investigação”.

Para ele, o ato foi um sinal de desrespeito ao povo brasileiro e para as leis e o trabalho árduo dos investigadores, policiais, juízes e demais envolvidos em um processo que quer passar o Brasil a limpo.

Júlio ressalta que isso trará uma instabilidade política no Brasil e afastará os investidores estrangeiros, prejudicando a economia e o crescimento do país. “Todos estão vendo este teatro como uma desordem política”, finaliza.

Fonte: braziliantimes.com