Publicado em 28/03/2016 as 9:53am

Casa e restaurante escondiam túnel entre EUA e México

O túnel possui 379 metros e liga a cidade de Calexico (CA) a Mexicali, México

Um túnel clandestino ligando um restaurante mexicano em Mexicali e uma casa em Calexico (CA) foi descoberto na manhã de quarta-feira (23), informaram as autoridades federais. A investigação resultou no confisco de mais de 1 tonelada de maconha e a prisão de 4 indivíduos em Calexico e Arizona.

O túnel de 415 jardas (379 metros) começa no interior do restaurante El Sarape e termina em uma casa nova na 3ª Rua em Calexico, aproximadamente a 300 jardas (274 metros) da fronteira, informou a Promotoria Pública.

Agentes do Departamento de Segurança Interna (DHS) monitoraram a construção da casa através de escutas em outubro e novembro. A empresa construtora foi instruída a deixar um espaço no piso para segurança quando foi posto o concreto para as fundações, segundo documentos apresentados na Corte, e os investigadores especulam que o espaço era utilizado como a saída do túnel.

A casa foi finalizada em dezembro de 2015 e custou US$ 86 mil; os agentes acreditam que o primeiro carregamento de drogas depois de 28 de fevereiro. Em 7 de março, as autoridades confiscaram mais de 1.350 libras (612 quilos) de maconha que havia sido traficada através do túnel e distribuída em vários locais.

Na terça-feira (22), duas mulheres foram presas no Arizona, uma delas suspeita de ter comprado a casa com o túnel. Já a outra é acusada na Corte Federal em San Diego de ajudar a transportar a droga entre a casa e os locais de armazenamento da droga.

Na quarta-feira (23), dois homens foram presos. As autoridades confiscaram cerca de 1.500 libras (680 quilos) de maconha em um depósito.

O túnel é o primeiro em operação a ser encontrada na cidade de Calexico há 1 década. A composição do solo na região dificulta a escavação, fazendo com que os traficantes de drogas prefiram o Distrito de Otay Mesa, que é mais movimentado e, portanto, mais fácil de camuflar as operações, conforme as autoridades.

 

Fonte: bv