Publicado em 1/04/2016 as 10:58am

Morre brasileiro que lutava contra a Leucemia

Os pais de Gleidson, que moram em Minas Gerais, queriam ver o filho, mas tiveram o Visto negado pela Embaixada dos EUA em Brasília

Um dia depois da Embaixada dos Estados Unidos em Brasília negar os Vistos para Marly Nunes Barbosa Sobrinho e Guido Gonçalves Sobrinho, o jovem Gleidson Gonçalves morre. O casal lutava há mais de um ano para visitar o filho que se encontrava enfermo neste país. Na quinta-feira, dia 31 de março, eles participaram de mais uma entrevista e a insensibilidade da repartição consular norte-americana barrou não autorizou a viagem.

Uma mobilização foi feita para ajudar o casal e vários senadores e deputados brasileiros enviaram cartas de apoio para sensibilizar a Embaixada norte-americana a conceder o Visto. Mas mesmo assim, os funcionários consulares se negaram a atender a um pedido que todos chamaram de “questão humanitária”.

Os pais só queriam ver o filho, pois até então a única notícia que eles tinham era de que Gleidson estava se recuperando. Uma pessoa próxima à família conversou com a redação do Brazilian Times, sob pedido de ter o nome mantido em sigilo, e disse que muitas pessoas erraram em não informar ao casal a real situação da doença. “Eles achavam que estava tudo bem e que iam acompanhar o filho durante o restabelecimento. Mas agora receberão esta notícia da morte. Vai ser um impacto muito maior, pois não estavam esperando por isso”, disse.

O jornal Brazilian Times também foi atacado quando publicou uma matéria dizendo que o filho queria ver os pais antes de morrer. Algumas pessoas, que queriam esconder dos pais a real situação, ligaram para a redação do jornal e chamaram a matéria de mentirosa. Mas a intenção da matéria foi de ajudar a sensibilizar as autoridades consulares dos EUA a liberarem o Visto.

Ainda não foi definida a data do velório e nem informado de o corpo será enviado ao Brasil. O Conselheiro Breno, do Consulado-geral do Brasil em Boston afirmou que vai colocar a repartição consular para prestar toda assistência à família.

Gleidson tinha 28 anos de idade e era natural de Pedra Menina, em Minas Gerais. Ele descobriu que estava com Leucemia em 2014 e na época, o seu irmão foi considerado compatível. Mas após a realização do transplante de Medula Óssea, houve uma rejeição e em setembro de 2015 a doença voltou mais forte.

Durante sua luta contra a doença, a comunidade se empenhou em encontrar um doador, mas sem sucesso. O mineiro recebeu apoio, carinho e solidariedade dos brasileiros para enfrentar a doença. Gleidson morreu na madrugada desta sexta-feira (01).

Fonte: Brazilian Times