Publicado em 18/04/2016 as 3:00pm

Projeto Social criado no Brasil utiliza arte para ajudar crianças e adolescentes no Brooklyn

A escolha dos países onde eles estabelecem suas bases é parte de um processo que começa, normalmente, através de parcerias e serviços que prestam a outras organizações em diversos países

Solidariedade que atravessa fronteiras, assim é o projeto social “Voz de Muitas Águas” (VMA. Entrevistamos Ana Hoepfner, coordenadora geral da base em Nova York e a coordenadora do programa internacional de parceiros, chamado 1Vida. Ela explica que VMA foi estabelecido como uma Associação em Maio de 2007, em Blumenau, no Brasil. Tudo começou com o desenvolvimento de projetos sociais para ajudar crianças, adolescentes e menores infratores e, também, a comunidade onde eles estão inseridos. “Em 2008, a VMA começou também a expandir seus projetos para outros países, implantando sua base em Israel e estabelecendo a Voz de Muitas Águas Israel. E, desde então, também abrimos uma base nos Estados Unidos e em Portugal”, explica a brasileira.

A escolha dos países onde eles estabelecem suas bases é parte de um processo que começa, normalmente, através de parcerias e serviços que prestam a outras organizações em diversos países. “No momento em que vemos uma necessidade, e a possibilidade de podermos ajudar com os nossos projetos sociais a longo prazo, nós começamos a pensar na implementação de uma base. Desse modo, a nossa primeira base fora do Brasil foi em Israel. A nossa equipe e direção sempre tiveram um grande interesse em ajudar no Oriente Médio e parcerias com organizações locais facilitaram a nossa implementação em Israel” explica

Ana informa que tudo é feito de maneira estratégica, cada unidade tem todo um estudo para a implementação da base. “Por exemplo, depois de começarmos os nossos projetos em Israel e Oriente Médio, vimos a necessidade de colaborar com situações migratórias para e da Europa. Então, desenvolver um trabalho em Portugal, como mesmo uma ‘porta’ para a Europa, foi um passo estratégico para colaborar para o desenvolvimento dos nossos projetos a um nível internacional. E, entre outros países europeus, escolhemos Portugal porque há anos já tínhamos parceria com uma organização em Lisboa e vimos também a necessidade da comunidade local.

Questionamos a respeito da unidade de New York City e ela diz que é uma ótima maneira de expandir o projeto e ter o alcance internacional, o que permite fazer dessa base no Brooklyn uma conexão global entre as demais unidades ao redor do mundo. “Vale ressaltar que a ligação que temos com cada lugar é chave quanto pensamos em abrir uma nova base. Nós enviamos alguém que já trabalha conosco ou começamos o trabalho com pessoas que já estão no local por motivos pessoais, mas que conhecem o nosso trabalho e já andam conosco há um tempo. E, em cada lugar, o nosso trabalho na comunidade local é de extrema importância ¬ além das relações e conexões internacionais, a nossa força vem das comunidades locais e do nosso trabalho no dia a dia com pessoas reais, atendendo a necessidades reais”.

Confira mais sobre esse projeto que tem ajudado muitas pessoas ao redor do mundo. A seguir uma entrevista especial Ana Hoepfner.

Qual o objetivo principal do "Voz de muitas águas"?

Ana Hoepfner: Voz de Muitas Águas é uma organização dedicada a investir nesta geração, desenvolvendo comunidades sustentáveis que encorajam um ambiente de criatividade e compaixão com foco no treinamento de jovens em um estilo de vida de consciência social. Nós queremos ver uma transformação positiva em nossa sociedade, uma vida de cada vez.

Nossa missão é:

?Estabelecer comunidades de pessoas ao redor do mundo que sejam catalisadoras de desenvolvimento pessoal e geradoras de transformação social.

? Implementar e encorajar empreendedorismo social como meio para alcançar o desenvolvimento sustentável de comunidades.

? Inspirar desenvolvimento criativo na geração milenar (nossa geração atual) nos dois extremos do espectro socioeconômico.

? Fazer com que essa geração use sua própria voz no diálogo do conflito humano e se torne agente de mudança positiva.

? Apoiar o intercâmbio e a conectividade entre culturas.

Vocês trabalham principalmente com crianças e adolescentes. Quais atividades praticam?

Ana Hoepfner: Os nossos projetos variam de acordo com as necessidades maiores que vemos em cada comunidade onde trabalhamos. Em sua maioria, entretanto, a nossa atuação e projetos se dão através de artes e diferentes tipos de ajuda humanitária. Quanto às artes, temos visto através dos anos que são um meio de tocar profundamente crianças e adolescentes. As artes ajudam na socialização, no desenvolvimento, e encorajam as crianças e jovens a se abrirem, sonharem e verem oportunidades onde antes só havia dificuldades. No Brasil, já trabalhamos com diversos tipos de artes plásticas no centro de detenção de menores onde operamos. Desde mosaicos, até trabalhos com argila, mosaicos e teatro. Além disso, nosso trabalho com crianças em comunidades carentes envolve pinturas, confecção de cartões, e trabalho em argila. Em Portugal e em NY, o nosso foco está no ensino de música. Em Portugal trabalhamos em parceria com uma organização governamental que recebe crianças órfãs, incluindo refugiados. Em Nova York, a nossa parceria é com o PAL (Police Atlhetic League), onde oferecemos aulas de música para kindergartens e firstgraders, como parte de um "after school program", e também damos aulas de violão e percussão para adolescentes à noite, como parte do programa SONYC. O nosso trabalho com as crianças em NY está baseado em um currículo de musicalização básica, através do qual elas aprendem sobre sons do dia a dia, conceitos principais de música, e como a música influencia e está presente no dia a dia delas. O nosso currículo é baseado em princípios cristãs de compaixão, solidariedade, esperança ¬ isso nos ajuda a ensinar as crianças a conviver melhor umas com as outras e ajuda no desenvolvimento delas como parte de uma comunidade. Em Israel, nosso projeto é em sua maioria com adolescentes e jovens adultos. Trabalhamos com jovens que estão no exército israelense, e jovens que moram em Jerusalém, principalmente. Nossos projetos são em sua maioria projetos de ajuda humanitária, através dos quais ensinamos compaixão para jovens israelenses que são encarregados de ajudar e levar mantimentos para famílias e pessoas necessitadas ¬ em sua maioria árabes. Desse modo, também quebramos barreiras arcaicas e históricas de preconceito e rivalidade entre diferentes povos.

As crianças auxiliadas no projeto em NY são de qualquer nacionalidade?

Ana Hoepfner: Em NY, nós trabalhamos na região de Bed¬Stuy, no Brooklyn. A nossa comunidade é extremamente diversa e as crianças tem um ambiente cultural muito rico para se desenvolverem. Isso faz com que as crianças e adolescentes com quem trabalhamos sejam de várias nacionalidades. Além disso, o PAL trabalha com crianças da comunidade como um todo, e isso também favorece essa diversidade.

A equipe em NY é formada só por brasileiros? Como é a escolha da equipe?

Ana Hoepfner: A nossa equipe como um todo tem pessoas de diversas nações. Em cada lugar onde trabalhamos, começamos a andar com pessoas que se interessam muito por nossos projetos e desenvolvem mesmo uma amizade muito profunda com nossa equipe. Normalmente, é assim que as pessoas mostram interesse em se tornarem parte da nossa equipe. Quando vemos a mesma paixão, que está de acordo com o porquê de fazermos o que fazemos, abrimos espaço para as pessoas começarem trabalhos voluntários conosco e assim vamos montando a nossa equipe. Posso dizer que somos mesmo uma grande família, mesmo em diferentes nações, sempre estamos nos comunicando e andando em acordo, encorajando uns aos outros. Além disso, como é parte da nossa missão o intercâmbio cultural, nós incentivamos muito que os nossos voluntários dediquem tempo em diferentes bases, quando possível e para colaborar em diferentes projetos. No momento, na nossa base em NY, temos dois brasileiros e um americano nascido e criado em Israel.

O que o projeto oferece e como funciona?

Ana Hoepfner: Em Nova York, a nosso principal projeto é em parceria com o PAL (Police Atlhetic League), onde oferecemos aulas de música para kindergartens e firstgraders, como parte de um "after school program", e também damos aulas de violão e percussão para adolescentes à noite, como parte do programa SONYC. O nosso trabalho com as crianças em NY está baseado em um currículo básico de musicalização, através do qual elas aprendem sobre sons do dia a dia, conceitos principais de música, e como a música influencia e está presente no dia a dia delas. O nosso currículo é baseado em princípios cristãs de compaixão, solidariedade, e esperança ¬ isso nos ajuda a ensinar as crianças a conviver melhor umas com as outras e ajuda no desenvolvimento delas como parte de uma comunidade. Também, durante o verão, damos aulas particulares gratuitas para crianças na comunidade, e também ensinamos e passamos tempo com as crianças na praça que é perto da nossa base ¬ um centro muito importante de lazer e encontros na nossa região. Finalmente, desenvolvemos em cada base projetos de empreendedorismo social que, além de nos ajudar a levantar recursos, também ajudam na capacitação de jovens em diferentes áreas de um ambiente de negócios. Dessa maneira, em NY, começamos a desenvolver no último mês, em parceria com a nossa base em Israel, a marca ETZ. A ETZ produz e vende carteiras e outros acessórios de couro feitas em NY, além de joias feitas em Israel. Todos os nossos produtos são feitos à mão, e pelos integrantes da nossa equipe. São peças únicas e lindas, que falam muito sobre quem nós somos, nossos ideais e pelo que estamos lutando na nossa sociedade.

Aliás, quem escolheu esse nome e qual motivo? O que ele representa?

Ana Hoepfner: Bem, vamos pensar em uma gotinha de água ¬qual o seu impacto? Qual o som que uma gotinha produz? Agora, pense em uma grande cachoeira, qual o impacto de milhões de gotinhas de água? O som é tão alto ao ponto de não conseguirmos ouvir nossa própria voz e a força da água é tão grande que molda todo um ecossistema. Além disso, um profeta judeu, chamado Ezequiel, disse que a voz de Deus é como a voz de muitas águas ¬ a voz de uma grande multidão, com um mesmo coração, lutando por um mesmo propósito. Dessa forma, o nome "Voz de Muitas Águas" fala do poder que há quando milhares de pequenas gotinhas se movem em uma mesma direção, fazendo um som que é mais alto até do que somente uma voz.

Atualmente quantas pessoas são atendidas?

Ana Hoepfner: Hoje em dia nós atendemos no Brooklyn, uma média de vinte e cinco crianças e dez adolescentes. Durante o verão o número de crianças aumenta para aproximadamente cinquenta/semana. Além disso, em breve começaremos a atender mais adolescentes, e vamos ter o prazer de servir entre quinze a vinte adolescentes por semana.

Para 2016 qual a meta de vocês?

Ana Hoepfner: Para 2016, uma das nossas metas é expandir o nosso trabalho com os adolescentes, acrescentando projetos com artes manuais. Como parte também da nossa marca ETZ, queremos treinar adolescentes e ensinar na confecção de joias e carteiras, capacitando eles na produção e também gerenciamento de produção. Dessa maneira queremos prover para os jovens na nossa comunidade local um meio de gerar renda, e receber um aprendizado que possa ajudar no desenvolvimento profissional de cada um deles. Uma outra meta é termos pelo menos duas apresentações dos jovens e crianças, quando eles terão a oportunidade de construir seus próprios instrumentos e mostrar o que estão aprendendo para familiares e amigos. Por último, temos como meta terminar o nosso registro federal como uma nonprofit. Hoje já somos uma organização de caridade registrada no estado, mas precisamos, para a expansão dos nossos projetos do registro federal como uma 501(C)3. Isso vai nos ajudar a desenvolver os nossos trabalhos com ainda mais excelência e mais apoio do governo a longo prazo. O custo é alto para nossa pequena organização local, e ainda estamos juntando os recursos necessários.

De onde vem os recursos para manter as atividades em andamento?

Ana Hoepfner: Atualmente a maior parte dos nossos recursos vem de doações de parceiros e voluntários. A nossa marca ETZ também foi desenvolvida para nos ajudar a cobrir os nossos custos, e já estamos tendo retorno. Contudo, ainda é o começo e ainda temos muito trabalho pela frente. A necessidade ainda é grande e encorajo mesmo que mais pessoas que têm o mesmo coração semeiem nos nossos projetos. Toda semente tem gerado lindos frutos na nossa comunidade e em várias nações.

Na sua opinião, qual a maior carência?

Ana Hoepfner: Como colocado anteriormente, a nossa maior carência hoje é de doações, tanto para os nossos projetos, quanto para a manutenção da nossa base. O desafio de começar algo, e ver esse algo crescer em uma nação é imenso, ainda assim toda a nossa equipe ama o trabalho, e todos nos sentimos muito realizados quando vemos os resultados nítidos nas crianças e adolescentes com quem trabalhamos. O amor e carinho que eles têm por nós nos diz que estamos no caminho certo. Mas só podemos continuar e expandir com a ajuda de outras pessoas, pessoas que possam semear nos projetos através de doações únicas ou mesmo se tornando mantenedores mensais. Também precisamos de mais voluntários. Ainda mais na época do verão, temos muitas crianças para ensinar e é sempre bom termos mais pessoas auxiliando!

Como as pessoas podem ajudar?

Ana Hoepfner: O primeiro passo para aqueles que querem ajudar seria conhecer mais sobre os nossos projetos. A nossa equipe ama receber pessoas na nossa base, e termos tempo de conversar e contar do que fazemos. Então, entre em contato (as informações estão abaixo) e dê uma olhada também na nossa página no facebook. Temos mais materiais de divulgação dos nossos projetos e é o nosso prazer compartilhar. O segundo passo é ver como você pode ajudar, você tem um tempo extra para se voluntariar? Você tem o coração disposto a semear financeiramente? Você gostaria de comprar carteiras e joias, e ajudar em projetos sociais ao mesmo tempo? Uma coisa que digo para aqueles que querem colaborar é que, às vezes, a nossa ajuda ou a nossa semente, parecem ser muito pequenas. Mas toda semente tem o potencial de gerar centenas de frutos, independente do tamanho! Então, como falamos lá no ínicio, é esse trabalho de várias gotas juntas que faz uma cachoeira, que causa impacto! Para aqueles que têm interesse em saber mais, em se voluntariar, ajudar financeiramente, ou mesmo comprar nossos produtos da EYZ, entrem em contato comigo ou chequem nossas páginas no facebook.

Informações para contato: +1 347 307¬3453 anapena@vozdemuitasaguas.com Facebook: /voiceofmanywaters.us Facebook ETZ: /etzjewelry

Fonte: Por Marisa Abel