Publicado em 27/04/2016 as 11:00am

Família de brasileiro faz campanha para tratamento na Florida

Através de uma campanha chamada "Juntos até a vitória, e ainda depois", os familiares de Lucas Amorim buscam recursos para que o jovem consiga um transplante de intestino delgado a ser realizado em Miami

Em 2012, o jovem Lucas Amorim foi diagnosticado com Síndrome do Intestino Curto e desde então seus familiares e amigos travam uma batalha para seguir o tratamento. Isso devido a uma complicação em um pós-cirúrgico, que ocasionou a perda em 90% do intestino delgado e 50% do intestino grosso.

Após esta complicação, o estudante mudou diante das dificuldades que surgiram durante o tratamento, mas os familiares sempre permaneceram unidos para vencer cada batalha, que é diária.

Nos últimos meses a mãe de Lucas, Joelma Cortez, começou a buscar ajuda no sentido de realizar um procedimento cirúrgico que pode representar a cura contra a Síndrome do Intestino Curto. “Lucas necessita de um transplante de intestino. Ele aguarda desde 2014 e é o próximo da fila de espera no SUS, mas o Brasil não tem a estrutura para fazer a cirurgia. E o principal de tudo é que não tem doador”, explicou.

No Brasil, o procedimento somente é feito na cidade de São Paulo, mas de acordo com Joelma Cortez, duas cirurgias realizadas em outros pacientes na capital paulista não foram bem sucedidas e a família busca agora o tratamento nos Estados Unidos, que é referência e a espera pelo transplante dura em média 60 dias. “Existe uma equipe médica de brasileiros coordenada pelo doutor Rodrigo Viana, que já fez três cirurgias em pacientes do Brasil e o resultado foi positivo. No entanto, a cirurgia custa 1 milhão de dólares e nós decidimos entrar na Justiça, onde nós ganhamos em primeira instância, mas o Estado recorreu”, explicou.

Além disso, após a cirurgia Joelma ressaltou que seu filho ainda necessitaria permanecer fora do país para continuar o tratamento, fato que geraria custos. Pensando nisto, os familiares criaram a campanha “Juntos até a vitória, e ainda depois” que pode ser acessado através do endereço eletrônico www.esperandotransplante.com.br.

“A gente criou o site e conta com o apoio daquelas pessoas que possam ajudar, pois o tratamento é bastante caro. Se nós conseguirmos que ele faça a cirurgia em Miami ainda precisaríamos de dinheiro para seguir o tratamento por pelo menos seis meses depois. Então, nós fizemos a campanha no site, com todas as informações sobre o tratamento e a gente espera conseguir vencer essa luta, pois ele não pode ficar esperando por conta do fígado que está sobrecarregado devido a limitação dos outros órgãos”, disse.

Fonte: braziliantimes.com