Publicado em 23/05/2016 as 12:00pm

Grupo de brasileiros investe em novo time nos Estados Unidos

Com U$ 21 milhões de investimentos e um mix de empreendedores da região do Vale do Silício promete levar inovação a partir do ano que vem

Com U$ 21 milhões (R$ 75 milhões) de investimentos e um mix de empreendedores da região do Vale do Silício que inclui brasileiros e profissionais com passagens por empresas como Apple, Facebook, Google e Twitter, o San Francisco Deltas promete levar inovação a partir do ano que vem à NASL (North American Soccer League), a segunda liga mais importante do Estados Unidos.

Faz parte do grupo de investidores os brasileiros Paulo Malzoni Filho e Renata Quintini. O consultor e diretor de futebol será José Carlos Brunoro, ex¬-Palmeiras. Já o diretor de relações com a comunidade é Ricardo Geromel, irmão do zagueiro Geromel, do Grêmio.

Em 2014, ele já havia participado da criação do Fort Lauderdale Strikers, outro time da NASL. Entre as inovações do San Francisco Deltas está a venda de ingressos com Inteligência Artificial. Assim, o torcedor poderá assistir aos jogos ao lado de pessoas com preferências e costumes semelhantes.

“Estamos mesclando as melhores práticas do Vale do Silício com o futebol, principalmente do Brasil, que é pentacampeão do mundo”, conta o colombiano Brian Andrés Helmick, CEO do San Francisco Deltas, em entrevista ao Estado.

Como surgiu a ideia de montar o San Francisco Deltas?

Um amigo, que foi investidor na minha última empresa, me ligou para me convencer a começar essa aventura. Eu tinha uma empresa de tecnologia, vendi em 2014 e comecei a avaliar essa possibilidade. Dos cinco clubes com as maiores marcas do mundo, três são de futebol: Real Madrid, Barcelona e Manchester United. Um é de futebol americano: Dallas Cowboys. E outro de beisebol: New York Yankees. Entre os 50 clubes mais valiosos do mundo, 42 ficam nos Estados Unidos, mas nenhum é de futebol. Ou seja, é como se o maior esporte do mundo simplesmente não existisse em alto nível no maior mercado do mundo. Por isso, resolvemos investir.

Por que vocês escolheram São Francisco?

Analisei o mercado da cidade e fizemos essa escolha. Quase 40% das pessoas que moram em São Francisco não nasceram nos Estados Unidos. Antes de lançar o projeto, conversei com os presidentes de todos os clubes da liga. Queria entender os erros e acertos deles. Apresentamos o projeto à liga e, em setembro do ano passado, ganhamos a concorrência com vários grupos de investidores que também queriam ter os direitos de abrir um time de futebol aqui em São Francisco.

Como pretendem atrair a torcida?

Não importa quanto você tem de dinheiro. Se você não tem uma torcida, você não tem nada. Os fãs são a alma do time. Os torcedores são os verdadeiros donos do clube. Começamos a encaminhar o processo de aprovação do nosso estádio. Negociamos com a cidade e conseguimos o Kezar Stadium, que fica na entrada do Parque Golden Gate. Foi a antiga casa do San Francisco 49ers e até o Pelé já jogou no Kezar. O clube tem três pilares: inovação, transparência e comunidade. Queremos trazer todas as pessoas para o futebol. Um terço dos ingressos dos nossos jogos terão descontos. Queremos ser um time acessível economicamente, com ingressos baratos de verdade. Vamos dar 200 ingressos para ONGs.

Quais práticas das start up vocês estão usando no San Francisco Deltas?

Precisamos de dinheiro porque o nosso projeto não é barato. Os investidores entenderam o risco do futebol. No dia a dia dos clubes, usamos algumas práticas das empresas do Vale do Silício. Aqui, por exemplo, ninguém usa e-¬mail para se comunicar internamente. Os diretores também não têm divisão de salas no nosso escritório. Estamos mesclando as melhores práticas do Vale do Silício com o futebol, principalmente do Brasil, que é pentacampeão do mundo.

Qual é o valor do investimento do San Francisco Deltas?

Cerca de US$ 21 milhões nos primeiros dois anos. Temos um grupo de investidores bastante alinhados. Desde a Copa de 1994 fala¬-se que o futuro do futebol está nos Estados Unidos.

Vale a pena investir em futebol?

Esse é o momento certo. O futebol tem conquistado cada vez mais fãs aqui. Dou dois exemplos: a rede de tevê NBC, por exemplo, já está transmitindo a Liga Inglesa enquanto que a FOX passa a Bundesliga. A relação do americano com o futebol está mudando.

Vocês pretendem contratar um grande astro para 2017?

Ainda estamos analisando essa questão e vamos conversar com o Brunoro. O primeiro passo é trazer um treinador. São Francisco tem várias empresas bilionárias que começaram em uma garagem. Não sabemos se vai dar certo trazer um jogador famoso. Em São Francisco, a cultura não é de estrelas, como em Miami ou Los Angeles.

Fonte: braziliantimes.com