Publicado em 1/06/2016 as 2:30pm

Cabo-verdiano que dirige premiada escola pública em Revere (MA) se inspirou em brasileiro

Além do idioma e dos alunos brasileiros que atende, Garcia tem outro forte vínculo com o país: é um admirador de Paulo Freire

O diretor de uma das melhores escolas públicas de ensino médio dos Estados Unidos fala português. Não é do Brasil - nasceu em Cabo Verde - mas em sua escola, localizada nos arredores de Boston (Massachusetts), estudam vários brasileiros. Desde que assumiu a Revere High School, há seis anos, Lourenço Garcia liderou uma mudança.

O trabalho de sua equipe foi reconhecido nacionalmente em 2014, quando o estabelecimento foi eleito a melhor escola de ensino médio do país pelo National Center for Urban School Trasnformation, entidade vinculada à Universidade de San Diego, no Texas.

Além do idioma e dos alunos brasileiros que atende, Garcia tem outro forte vínculo com o país: é um admirador de Paulo Freire, informação que faz questão de mencionar em seu perfil na rede social Linkedin.

Visitei no início do mês a Revere High School ao participar do 69º Seminário Nacional da EWA (associação de jornalistas de educação dos Estados Unidos). A escola virou referência no país por implementar um modelo de ensino centrado no estudante, com uso eficiente de novas tecnologias.

Nas salas de aula, os jovens não carregam livros, mas tablets com um software que permite que tenham acesso a todas as aulas do professor. Desta forma, podem, por exemplo, tanto se preparar para aprender conteúdo que ainda será ensinado, como para revisar o que já foi trabalhado.

Tecnologia, claro, não basta. Desde que assumiu a escola, Garcia implementou uma cultura de troca e suporte entre os professores, e desses para os alunos. Aleksia Ferreira, estudante que migrou de Criciúma para Boston há dois anos, conta que um dos diferenciais da Revere é a atenção que o aluno recebe dos professores desde a chegada, mesmo que não fale uma palavra de inglês.

Num momento em que o Brasil discute a reformulação de seu currículo, a jovem brasileira cita o excesso de conteúdos como uma das principais características a diferenciar a experiência que teve nos dois países. Em Criciúma, estudava num colégio técnico das 7h30 às 17h30. “Eu tinha 13 disciplinas distribuídas em aulas de 45 minutos. Aqui são apenas quatro classes, mas aprendo muito mais dessa maneira, com mais tempo para cada aula”.

Outro aluno brasileiro, João dos Santos, gravou um depoimento para a escola citando outro diferencial da Revere: o estímulo para que os estudantes se organizem em grupos de interesse. Podem ser clubes de poesia, de yoga, ou comitês que agreguem alunos LGBT, mulçumanos, latinos, entre outros. “Aqui eles têm voz ativa”, diz o diretor da escola, acrescentando que várias decisões já foram revistas por pressão dos estudantes.

Pelo início de sua trajetória profissional, seria improvável que Garcia chegasse ao posto de diretor de uma premiada escola americana. Ele serviu por 15 anos ao exército de seu país até decidir abandonar a carreira militar para virar professor, aos 30 anos de idade, ainda em Cabo Verde.

Hoje, aos 53 anos, ao ser questionado se de alguma maneira seu sucesso se deve ao aprendizado que teve no Exército, Garcia é enfático: “Quem for por esse caminho de achar que gerir uma escolha se assemelha a uma batalha vai fracassar. O trabalho de um diretor tem que ser o de persuasão e convencimento. Se eu tentasse implementar uma disciplina militar aqui, os resultados não seriam sustentáveis no longo prazo. Aprender pelo medo não é bom”.

Fonte: ANTÔNIO GOIS