Publicado em 5/06/2016 as 10:04pm

Conheça os benefícios da amamentação para mães e filhos

Por falta de informação, é cada vez maior o número de mães que optam por não amamentar e alimentando seus bebês com fórmulas

De acordo com recentes pesquisas americanas realizadas pela Universidade Estadual Truman, em Kirksville (MO) e pela Universidade da Flórida, em Gainesville (FL), dois terços das mães adultas e três quartos das mães adolescentes, nunca amamentaram ou deram de mamar apenas pelo período de uma semana, isso inclui não somente mães americanas, mas também de diversas nacionalidades que residem nos Estados Unidos. Foram entrevistadas mais de 30.000 mães e o que se constatou foi que apenas 19% das mães adolescentes e 68% das mães adultas estavam amamentando seus filhos. 95% das mães – adolescentes e adultas -- começaram a usar uma fórmula para alimentarem seus bebês, pelo menos em algumas das refeições, já na 2a semana de vida do recém-nascido.

A verdade é que no Brasil a amamentação é muito mais comum e cultural do que aqui nos EUA, porém devido, muitas vezes, a correria do dia-a-dia, as mães preferem alimentar seus filhos com leites artificiais, conhecidos como “fórmulas” por ser “mais prático” e muitas delas receberem a fórmula gratuitamente através de programas sociais como o WIC.

No Brasil o Ministério da Saúde orienta que as mães amamentem seus filhos pelo menos até os 2 anos de idade, já a Associação de Academias de Pediatras Americana recomenda que as mães amamentem seus bebês até pelo menos 1 ano de idade.

Talvez o que esteja faltando é o incentivo a amamentação e a divulgação dos inúmeros benefícios que ela traz para a mãe e o bebê. O leite materno é o alimento mais completo e saudável para os bebês, pois contém tudo o que eles precisam: proteínas, lipídios, lactose, vitaminas, ferro, minerais, água e enzimas nas quantidades exatas para o crescimento e desenvolvimento saudável. O leite materno contém substâncias que impedem o crescimento de bactérias nocivas no intestino, que podem causar infecções gastrointestinais e diarreicas, além de ser um alimento natural e gratuito.

Segundo a cabo-verdiana Tania Evora, 27 anos, instrutora de classes de amamentação na língua portuguesa da WIC de Massachusetts, muitas mulheres desistem de amamentar por que tem que voltar a trabalhar ou a estudar e também por falta de informação. “Muitas vezes por falta de informação correta algumas mães deixam de amamentar, pois não sabem que se pode conservar o leite materno: por 5 meses congelado, 5 dias na geladeira e 5 horas na temperatura normal (e só contar os dedos da mão que são 5, então nenhuma esquece que é 5 para tudo). Na escola ou trabalho, elas podem levar um cooler pequena com um ice pack dentro dele, colocar o saquinho de leite ou frasco lá dentro e pode ficar lá até elas chegarem em casa para congelar ou colocar na geladeira. Hoje em dia tem mais publicidade da fórmula do que de amamentação. E tem muito tabú aqui sobre a amamentação”, relata a instrutora.

A amamentação diminui drasticamente o risco de o bebê ter Síndrome de Morte Súbita Infantil (SMSI). O leite materno tem a temperatura adequada e os bebês amamentados têm menos tendência para desenvolver diabetes, doenças cardíacas, eczema, asma e outras doenças alérgicas ao longo da sua vida, não só durante a infância, como também no decorrer da vida, além de melhorar o desenvolvimento cerebral, a acuidade visual e de reforçar a ligação emocional entre a criança e a mãe e proporcionando calor, amor e afeto. Os bebês amamentados são mais saudáveis, o que reduz o absentismo das mães no local de trabalho.

Para encorajar as mamães e futuras mamães a encararem a amamentação como algo benéfico e muito saudável, a instrutora Tania aconselha: “Amamentem os vossos filhos sempre que puderem. Amamentar é natural e é o melhor.  O estomago do bebezinho é pequeno, por isso é melhor evitar a mamadeira pelo menos nas primeiras 3 semanas de vida. Amamente sempre que o bebê quiser. A mãe e o bebê vão trabalhar em conjunto para aprenderem e aumentar a produção do leite materno. O importante é ver como os bebezinhos ficam lindos inteligentes e super saudáveis. Não tenha vergonha de amamentar ou de pedir ajuda com a amamentação”, finaliza.

Fonte: Thais Partamian Victorello