Publicado em 19/06/2016 as 8:46pm

Brasileira é atacada a paulada no Central Park

O agressor está preso e aguarda julgamento

No início de junho a brasileira Bruna Grybogi estava caminhando pela Central Park North, por volta das 9h00 da manhã, quando foi atacada por um homem que a atingiu com pauladas.

A brasileira explica como ocorreu o ataque: “Eu estava andando no Central Park North por volta das 08:40 da manhã de 1 de Junho, entre a Malcolm e Adam Clayton. Como eu havia pego o metrô errado, eu estava tentando ler a placa da próxima rua pra ver se eu caminhava no sentido certo. Então, eu senti que alguém me bateu muito forte com um objeto no braço. Eu olhei para trás e tinha um homem me encarando com um pedaço de madeira na mão. Ao meu lado no chão, tinham mais dois pedaços. Ele moeu em meu braço uma ripa que era maior do que eu. Meu cotovelo ficou muito inchado e eu comecei a sentir muita dor”.

Completamente confusa e sem reação ela ficou sem entender o que estava acontecendo. “Eu não entendi o porquê dele ter me batido, não conseguia raciocinar direito. Comecei a chorar, porque era uma mistura de dor, medo, impotência e ódio. Eu estava muito assustada”.

Bruna conta que sua primeira reação foi olhar para os lados para ver se alguém tinha visto o ocorrido, mas não havia ninguém perto dela. Sem saber o que fazer ela ligou para uma amiga, e após encontrá-la chamaram a polícia. Ambas também acionaram uma ambulância.

A brasileira conta que ao relatar o caso para a polícia eles informaram que receberam denúncia de outras duas mulheres que tinham sido atacadas da mesma forma. Foi quando ela teve a oportunidade de ir reconhecer o agressor. “Eu fui até a delegacia e ele já estava no local. Eu o reconheci pelos documentos. Eu nunca vou esquecer aquele olhar”.

O agressor está preso e aguarda julgamento. Bruna teve de comparecer a um Grand Júri para dar depoimento e aguarda o resultado que ainda não foi divulgado.

À espera da justiça, ela diz que está muito confiante e que continue preso e pague pelo que fez.

Sobre voltar ao local do ocorrido ela diz que teve que ir lá com a polícia, porém não necessitou parar, apenas indicou o local do carro mesmo.

Ainda assustada com o que aconteceu, Bruna diz que ainda não consegue caminhar tranquila pelas ruas da cidade. “Eu estou assustada com essa cidade. Se vejo alguém me olhando, já penso que posso apanhar. Eu tenho medo de andar em lugares vazios e lotados. Eu tenho muito medo que isso possa acontecer de novo. No Brasil, eu sentia medo de ser assaltada. Aqui, eu tenho medo de tudo, porque as pessoas atacam por outros motivos, não só por assalto. Não me sinto segura nesse país”, finaliza.

Fonte: Marisa Abel