Publicado em 22/06/2016 as 12:00pm

Brasileiras endinheiradas estão indo parir seus filhos em Miami

a crise econômica e política brasileira tem contribuído para o aumento de número de mulheres dispostas a ter seus bebês em Miami

Que tem muitos casais viajando a Miami para comprar o enxoval do futuro filho eu já sabia. Para trazer produtos e revender aqui no Brasil, também. Isso já virou prática comum, visto que os produtos lá são muito mais em conta do que aqui. Mas gestantes que saem do Brasil para ganhar seusfilhos em Miami e depois voltam para cá, pra mim foi uma surpresa. Eu não sabia que isso estava ficando tão frequente que já tem até clínicas especializadas lá nos States em receber estas estrangeiras que preferem parir seus filhos nos Estados Unidos e, de quebra, obter algumas vantagens futuras.

Claro que só faz isso quem tem bastante dinheiro. Entrei num site de uma destas clínicas, e os preços estavam estampados: começam em 9 mil dólares (parto normal) até mais de 16 mil dólares (parto de múltiplos), dependendo do hospital escolhido. São oferecidas três opções de maternidade. Estes valores incluem algumas consultas pré-natal (geralmente elas viajam na 32ª semana de gestação), o parto e até duas ou consultas pediátricas após o parto, para a mãe e o bebê. Além da parte médica, a gestante tem que ficar em um hotel ou alugar um imóvel para todo este período, o que também não é barato.

O médico obstetra Wladimir Lorentz é brasileiro mas há muitos anos trabalha em Miami, e diz que o número de gestantes brasileiras que querem dar à luz uma criança americana tem crescido muito nos últimos anos, atraídas principalmente pela garantia de cidadania automática para seus recém-nascidos. Quando esses filhos completam 21 anos, eles podem obter para seus pais o visto de permanência nos EUA, o greencard e, mais tarde, a cidadania. O chamado turismo de maternidade é legal em solo americano, desde que a mulher grávida entre no país com todos os documentos necessários (em geral um visto de turista) e cumpra a lei.

Além da crise econômica e política brasileira outro fato que tem contribuído para o aumento de número de mulheres dispostas a ter seus bebês em Miami está o medo de contrair doenças como o Zika Vírus, diz Lorentz. Mesmo faltando ainda alguns estudos, para a comunidade científica no Brasil fica cada vez mais claro que o vírus tem relação com os casos de microcefalia, explica o médico.

Fonte: braziliantimes.com