Publicado em 28/06/2016 as 9:00pm

Ações do ICE amedrontam imigrantes em NJ

Os agentes do ICE estão indo a armazéns em busca de imigrantes procurados

Apesar do estado de New Jersey ser considerado simpático para imigrantes indocumentados, muitos moradores estão vivendo cercados pelo medo da deportação. Com isso, eles mantem suas crianças em casa, longe da escola, evitam procurar trabalho abertamente, não frequentam restaurantes e espaços públicos e até mesmo caminhar pelas ruas.

Este medo se deve aos recentes ataques promovidos pelo Immigration and Customs Enforcement (ICE). Mesmo a agencia afirmando que estão focados em criminosos e imigrantes que atravessaram a fronteira recentemente, muitos trabalhadores são alvos destas ações. Uma grande maioria dos moradores de NJ acredita os agentes agente de forma indiscriminada e buscam todos os residentes sem documentos, rompendo famílias que construíram suas vidas no estado.

É desta forma que pensa o peruano José Avila. "Todo mundo tem medo da imigração. Estamos com medo até de andar a pé", disse.

Um pastor evangélico em Newark aconselhou a sua congregação a não abrir a porta, a menos que ele tenha certeza de quem está do outro lado. Uma brasileira, que pediu para não se identificar, e é dona de uma companhia de limpeza, tem dois filhos que nasceram nos Estados Unidos e reside na cidade há 24 anos. Ela tentou várias vezes obter o Green Card, mas não obteve êxito.

Ela, que frequenta a igreja do pastor citado, disse que se tornou uma história comum a congregação assumir a fiança quando alguém é pego em um ataque do ICE. “Dois membros foram deportados, deixando esposas e filhos para trás”, disse ela ressaltando que a agência de imigração está encontrando estas pessoas através do Facebook e multas de trânsito em atraso.

O Hondurenho Bigberto Chaves também ressaltou o temor existente na comunidade. Ele afirmou que as pessoas estão com medo de trabalhar e dos agentes irem aos armazéns, onde muitas pessoas trabalham sem documentos.

A imigrante mexicana Elizabeth Ruiz disse que "uma vez, em seu local de trabalho em Somerset (CT), houve um alarme falso de que o ICE estava vindo para verificar o status das pessoas. "Lembro-me que muitos trabalhadores correram para fora e se esconderam”, afirma ressaltando que muitas mulheres na comunidade New Brunswick e Somerset são mães solteiras e estão preocupadas em ser detidas, pois não haverá ninguém para cuidar de seus filhos.

Ruiz, que vive nos Estados Unidos há 12 anos, sente-se como uma americana, mas ela não tem um caminho para a legalização do seu status de imigração - e muito menos em busca de cidadania.

Segundo as informações, os ataques que do ICE, com prisões, aconteceram com maior frequência nas últimas semanas em Freehold, New Brunswick, Princeton e Plainfield. Mas as autoridades do ICE afirmam que o terror que essas ações têm causado é infundado, pois visa apenas criminosos.

Os ativistas afirmam que a notícia das prisões teve um impacto real nas comunidades imigrantes e promoveu uma onda de “imigrantes indocumentados correndo de volta para as sombras”.

Fonte: braziliantimes.com