Publicado em 6/07/2016 as 11:00pm

Brasileiro conta como escapou da imigração em NH

Nas últimas semanas, as agências de imigração dos Estados Unidos intensificaram as batidas em busca de imigrantes procurados pela justiça

Nas últimas semanas, as agências de imigração dos Estados Unidos intensificaram as batidas em busca de imigrantes procurados pela justiça ou quem entrou no país de pois de janeiro de 2014. Entre estes procurados estão alguns brasileiros, apesar de não haver, ainda, registros sobre prisões dos mesmos.

Mas na sexta-feira, dia 1º, o rondoniense Luis Carlos Avelar, 27 anos, passou por uma situação inusitada. Ele trabalha em uma fazenda na cidade de Northwood, em New Hampshire, e o local foi alvo de uma batida por parte de agentes de imigração com o apoio da polícia local e estadual.

Além de Luis, trabalham no local mais cinco brasileiros, nove mexicanos e dois peruanos. Quando os agentes chegaram ao local, ele trabalhava na recomposição de um terreno que desmoronou com uma chuva recente. “A fazenda fica no alto e eu estava no buraco, colocando sacos de areia para conter a água da represa e retirando o lama que se acumulou”, disse. “Eu já estava subindo quando ouvi gritos em inglês e me assustei pois nunca tinha escutado isso”, continuou.

Neste momento, ele subiu devagar e espiou por trás de um arbusto. “Ei vi quatro viaturas policiais, mas percebi que entre eles tinham oficiais usando coletes do ICE. Foi então que percebi que se tratava de uma batida de imigração”, disse ressaltando que correu para se esconder.

Luis disse que ficou desesperado, pois entrou nos Estados Unidos pela fronteira mexicana e foi pego por agentes. “Eu tinha uma corte marcada para o mês de março e não fui. No momento, tinha certeza de que meu nome estava na lista de procurados”, afirma.

O brasileiro explica que procurou lugares para se esconder e o mais segurou que encontrou foi se afundar em um monte de lama e jogar galhos de árvores por cima. “Pouco depois eu vi que dois agentes desceram pelo caminho que eu estava subindo, olhando o local, passaram próximo a mim uns dez metros, mas não me encontraram e saíram”, continuou.

Após o clima ficar mais calmo, cerca de três horas depois, Luis decidiu sair do seu esconderijo e subiu lentamente até o dormitório, que estava vazio. Ainda tremendo com o susto e preocupado com o que poderia acontecer, começou a procurar pelo resto da fazenda e encontrou o grupo de brasileiros próximo ao estábulo. “Todos estavam tensos e me disseram que dois mexicanos foram levados. Graças a Deus o meu nome não estava na lista, mas se eles tivessem me achado iriam checar meu histórico e veria que eu era devida à justiça”, explica.

Luis decidiu viajar no dia seguinte para Somerville, onde tem alguns amigos, os quais lhe aconselharam a não ficar no local, pois pode haver nova batida. “No momento eu estou morando de help, mas logo que achar um emprego eu alugo um quatro para mim”, finaliza.

Fonte: braziliantimes.com