Publicado em 2/08/2016 as 5:30pm

Moradora de NYC, a brasileira Patrícia Rizzi faleceu na madrugada de 27 de julho

Moradora de NYC, a brasileira Patrícia Rizzi estava em Los Angeles, quando faleceu na madrugada de 27 de julho.

Natural de Belém, no Estado do Pará, e residente em New York City, Patrícia Rizzi, 35 anos, trabalhava na organização de festas e eventos na Big Apple. No domingo, 24 de julho, deu entrada no Kaiser Medical Center, em LA, com uma infecção no pé, segundo informações passadas para amigas dela e ao Consulado Brasileiro em Los Angeles.

O hospital informou que ela veio a falecer de uma infecção generalizada três dias após ser hospitalizada, porém não forneceram nenhuma informação extra. Entramos em contato com o hospital que disse não poder passar nenhuma informação para a imprensa neste momento.

Os represetantes do Consulado Brasileiro em Los Angeles foram procurados por amigos da vítima que residem NYC e Flórida e se prontificaram a acompanhar o caso. “Até o momento o que nos foi passado pelo hospital é que alguém a levou para lá, após dar entrada ela teve os cuidados médicos, mas a infecção se generalizou causando a morte. Ainda é muito cedo para saber o resultado dos exames, pois tudo aconteceu muito rápido”, explica Ticiana Valle, que trabalha no Consulado.

Segundo Ticiana eles teriam agendado uma visita à Patrícia para a quarta-feira, 27 de julho, mas quando chegou ao Consulado recebeu a notícia do falecimento da brasileira.

“A médica a qual estamos em contato disse que estava muito abalada e que todos no hospital, envolvidos com o caso de Patrícia, estavam tristes com a morte dela, pediram para que nós respassássemos à família que eles sentem muito”, conta Ticiana que também informou que a equipe do Consulado Brasiliro em LA irá acompanhar o caso e prestar o apoio necessário à família, no que diz respeito a parte burocrática para a liberação do corpo.

Bianca Silva, amiga de Patrícia, contou mais alguns detalhes sobre o caso. Ela disse que mandou uma mensagem para a amiga informando que estaria em NYC no sábado, pois atualmente reside na Flórida, e assim poderiam planejar algo para fazerem juntas, quando Patrícia respondeu que estava na Califórnia. Na segunda-feira pela manhã uma outra amiga de Bianca a informou que Patrícia estava em coma. “Ninguém tinha o contato da família, através de uma comunidade do Facebook em Los Angeles encontraram o Alex, irmão de Patrícia. Eu liguei para o celular da Patrícia e uma médica atendeu e passou o endereço e informações do hospital. Ela estava no Kaiser, foi solicitado que alguém fosse até o hospital, porém a família não me deu autorização prontamente, então foi quando entramos em contato com o Cônsul Brasileiro na Califórnia, quando ele retornou para mim. O consulado entou em contato com o hospital, a médica disse que tinha as informações de todos que estavam procurando notícias de Patrícia e que informaria do quadro dela assim que possível. Foi ai que conseguimos que a Neusa, uma brasileira que mora em LA fosse autorizada a entrar no hospital e chegando lá encontrou um americano, amigo de Patrícia, Matt, que havia informado que o quadro dela estava estabilizado”, explica Bianca.

A redação do Brazilian Times entrou em contato com o Matt, mas até o fechamento desta matéria ele não respondeu nossa ligação.

Arrasada e se sentindo impotente Bianca Silva tenta descrever como era a amiga. “Pra mim ela era a versão loira da Ivete Sangalo, era uma pessoa que passava alegria simplesmente por conversar com você, onde ela entrava parecia que vinha com uma luz especial, era  uma pessoa que sempre trazia muito boa energia. Muito querida. Eu me sinto impotente. Nessas horas a gente aprende a valorizar os amigos e não deixar as oportunidades de conversar com as pessoas. Eu deveria ter ligado para ela, não só finalizar com aquela mensagem que trocamos no sábado. Você nunca imagina que isso vai acontecer com uma pessoa jovem, saudável e que se cuidava.  Me sinto tão pequena. Tenho certeza que ela já está lá em cima, organizando uma festa e missão sabendo que teve sua missão cumprida”.

Continuamos a aguardar mais informações sobre o caso para saber a real causa da morte da brasileira. Segundo Ticiana Valle, do Consulado Brasileiro de Los Angeles, agora os procedimentos são: aguardar o hospital liberar o corpo e realizar a parte burocrática. “Estamos em contato com a família no Brasil, o irmão de Patrícia, o Alex, está conversando conosco e vamos esperar os procedimentos que o hospital tem de fazer para providenciar a documentação necessária”.

Ainda não está decidido se irão fazer o supultamento aqui nos EUA ou se o corpo será enviado ao Brasil.

Fonte: Marisa Abel