Publicado em 9/08/2016 as 7:15am

Em audiência no Tribunal de Brigdeport (CT), pai teria admitido assassinato da filha Sabrina

Em audiência no Tribunal de Brigdeport (CT), pai teria admitido assassinato da filha Sabrina

Em audiência no Supremo Tribunal de Bridgeport (CT) que aconteceu na última segunda-feira, dia 8, o brasileiro Walter da Silva, 45, teria admitido que matou sua própria filha, Sabrina da Silva, de 19 anos, a tiros. O crime, que chocou a comunidade brasileira e americana, aconteceu no dia 3 de julho em New Bedford (MA).

 Segundo ele teria relatado aos policiais que o prenderam, o que o teria motivado a cometer esse crime bárbaro é que ele não estava de acordo que Sabrina se envolvesse com homens mais velhos, “ela estava de paquera com um homem mais velho”, chegou a afirmar, e isso teria provocado a ira do pai. “Eu fiz isso, eu a matei”, confessou o acusado aos investigadores na sexta-feira, dia 5, logo após ter sido preso enquanto almoçava em uma pizzaria em Dunbury (CT).

Dias depois do crime, Walter foi intimado a depor na polícia, mas fugiu de Massachusetts para Connecticut e só foi localizado após denúncias de se paradeiro.

De acordo com registros do tribunal, no dia do crime Walter e Sabrina iniciaram uma briga através de mensagens de texto por celular. Ela chegou a chama-lo de assassino, psicótico e violento. Um dos textos, enviados por ela ao celular do pai, dizia: “Você vai para a cadeia de novo! ”. Em outra mensagem a vítima parecia saber que corria risco de morte. “Às vezes acho que você quer me matar”.

Uma câmera de segurança mostra o momento em que Walter chega, com um carro emprestado, próximo ao local em que a filha residia. A tragédia teria ocorrido por volta de 10:10pm, no estacionamento do prédio em que Sabrina morava com sua filha de apenas 2 anos.

Segundo consta em documentos judiciais, o acusado teria admitido o uso de um capuz e uma máscara e teria relatado que momentos antes de atirar, discutiu com Sabrina. Ele a agarrou pelo braço, mas ela se afastou foi então que ele a perseguiu e atirou cinco vezes nas costas e também na cabeça da filha.

Walter chegou a dizer aos investigadores que devido ao suposto envolvimento da filha com um homem mais velho, ele se sentia “desrespeitado”.

Fonte: Da redação