Publicado em 7/09/2016 as 9:00am

Brasileiros comentam caso do brasileiro que agrediu policiais em Framingham (MA)

Atitudes como a do rapaz que agrediu os policiais, influenciam para que haja mais preconceito em relação a comunidade brasileira residente nos EUA?

Desde segunda-feira, dia 29, um dos assuntos mais comentados entre os brasileiros que moram no estado de Massachusetts é o vídeo em que o brasileiro Marcus Bino, 29 anos, morador de Framingham (Massachusetts), agride dois policiais, que foram prendê-lo após sua companheira o denunciar por violência doméstica, no domingo, dia 28.

No vídeo, que a própria companheira gravou, é possível ver o quanto o brasileiro resiste à prisão e quando os dois policiais, um homem e uma mulher, tentam dominá-lo, ele grita que é mais forte que os dois, pedindo para ser solto e assim que os policiais o liberam parcialmente, o acusado começa a agredi-los.

O assunto gerou muita polêmica, chegando a ser vinculado pela rede de TV americana FOX e já está nas rodas de conversas também no Brasil.

O jornal Brazilian Times conversou com alguns leitores para saber a opinião deles quanto a postura de Marcus em relação a agressão aos policiais. A pergunta foi:

Você acredita que atitudes como a de Marcus influenciam para que haja mais preconceito em relação a comunidade brasileira residente nos Estados Unidos?

“Eu creio que, depois desse acontecimento, muita coisa vai contribuir para que haja mais descriminação e as portas se fechem para que o imigrante tenha benefícios, como plano de saúde, etc. A repercussão é muito negativa, principalmente agora que é época de eleições. Essa é a minha opinião.” – Vanda Araújo, artista plástica, moradora da cidade de Cambridge (MA).

“Eu acho que se fosse um fato isolado não influenciaria, mas vejo semanalmente ‘fatos isolados’ decorrentes de imigrantes. Aí eu acho que influencia sim. Infelizmente as comunidades brasileira e hispana trazem alguns problemas para o Estado, fazendo com que não fiquemos com uma imagem muito boa”. - Daniel Cardenuto, 30 anos, morador de Leominster (MA).

“Não influencia. E se influenciar, não deveria sê-lo. É um caso em um milhão” – Nair Fernanda, 22 anos, natural de Governador Valadares (MG), moradora de Malden (MA).

“Acredito que influencia sim, não influencia a todos, mas para aqueles que já tem ódio de imigrantes é simplesmente um ‘fortificante’, pois eles não sabem diferenciar ovelhas de lobos” – Paulo Silva, técnico em manutenção, residente em Framingham (MA).

“Enquanto os trabalhadores tentam passar a melhor imagem possível do imigrante, acontece situações como essa, que sinceramente, envergonham o nome de toda uma nação. Esse tipo de comportamento afeta muito a comunidade brasileira, fazendo com que os americanos possam achar que todos somos iguais”. – Talita Teixeira, personal trainer, moradora de Malden (MA).

“Acredito e muito. É aquela velha história: um faz e todos os outros levam a culpa”. – Wilson Correia, 50 anos, natural e residente em São Paulo (Brasil).

“Tudo de errado que um imigrante faz ‘fora de casa’, influencia na imagem de um todo. Com isso, atitudes como a desse rapaz, influencia também.” – Pamella Baleki, 25 anos, paulista, moradora de Leominster (MA).

“Creio que se dermos mais destaque e valor para os brasileiros de bem, faremos o norte-americano nos olharem com mais respeito. Esse fato isolado só pode ser usado contra o brasileiro, se entre nós, o número dos que tem boa conduta e que trabalham para o bem comum, for inferior a parcela de brasileiros que esse cidadão representou. Devemos virar a página e seguir em frente.” – Benilton Maia, 52 anos, morador de Clinton (MA).

Fonte: Da redação