Publicado em 18/09/2016 as 12:01am

Após nove meses no Kuwait, brasileiro retorna para casa, em Newton (MA)

Mãe e filho relatam a experiência vivida durante esse período em que ele esteve a serviço do ARMY

Após nove longos meses de missão no Kuwait, em prol do Exército dos EUA, essa semana o mineiro Lucas Silva Araújo, 27 anos, retornou para a casa de família, em Newton (Massachusetts), com a sensação de “missão cumprida”. Neiva Maria da Silva, mãe de Rodrigo, conta como foi a reação dela quando soube que o filho iria para a missão no Kuwait. “No início eu fiquei desesperada, me sentindo impotente, com muito medo do que pudesse acontecer com ele”, relembra.

O Kuwait é um emirado árabe soberano, situado no nordeste da península Arábica na Ásia Ocidental, que faz fronteira com a Arábia Saudita ao sul e ao norte com o Iraque.

Segundo Neiva, a família, os amigos e a namorada de Rodrigo, a brasileira Maria Luiza Rocha, estavam ansiosos aguardando o retorno da missão para outubro, quando foram surpreendidos com a notícia da chegada antecipada. “Ele tentou me surpreender, a namorada e aos amigos, mas a corporação me enviou um e-mail falando deste retorno”, conta.

Ao aguardarem a chegada de Lucas e do restante da equipe na Base, a emoção tomou conta de todos. “Quando coloquei os meus olhos nele, foi como se ele estivesse nascendo de novo, inclusive todos cantaram Happy Birthday for All, por todos terem voltado para casa”, relata e em seguida finaliza: “Meu coração agora está em paz, graças a Deus”.

Para Lucas, que já serve ao Exército Americano desde 2012, a missão no Kuwait foi uma experiência inesquecível. Com exclusividade, ele contou ao Brazilian Times como foi essa experiência. “Nós nunca sabemos o que esperar quando estamos indo para uma missão fora de casa, longe de tudo e de todos. Nada foi fácil, mas a experiência que tive no Kuwait vou levar para a vida toda”, conta.

O brasileiro afirma, ainda, que a partir de agora sua visão sobre a vida é outra. “Tive a oportunidade de ver a vida de um modo diferente, aprendi sobre outra cultura, vi e senti de perto a beleza e o calor do deserto. Foram nove meses de longas e cansativas missões. Graças a Deus, o apoio da minha família e de vários amigos, tive a honra de voltar para casa com a missão cumprida”, continua.

Fonte: Da redação