Publicado em 21/09/2016 as 6:00pm

Brasileiro é acusado de aplicar golpes na Florida e Massachusetts

Supostas vítimas de "Rombão", como é conhecido na comunidade brasileira, afirmam que ele é 'especialista' em dar golpes de vendas de carros, se passando por empresário bem-sucedido

Um grupo de brasileiros de Massachusetts e da Florida estão se reunindo para formalizar uma série de denúncias contra Robinson Filho, conhecido na comunidade brasileira como “Robão”. Segundo relatos, Robinson atua pelo menos nesses dois estados, dando golpes de vendas de carros que não são entregues, recebendo o dinheiro e dando cheques sem fundo, roubados ou de contas encerradas como garantia, além estar atuando para ampliar redes de pirâmides financeiras na comunidade brasileira. De acordo com uma fonte (que pediu para não ter sua identidade revelada), ele era um dos principais envolvidos no escândalo da Telexfree em Massachusetts e recentemente estaria implementando em Marlborough (MA) e região, um novo esquema de pirâmide chamada BBOM. Essas pirâmides estariam diretamente ligadas a um grupo chamado Atomic Group, lideradas por Robinson.

Apesar do suposto envolvimento com pirâmides financeiras e outros golpes financeiros, dos quais ele é acusado pelos denunciantes, as vítimas relatam que a especialidade de Robão é mesmo o golpe da “venda de automóveis”. O grupo de vítimas se formou a partir de publicações, de uma das supostas vítimas da Florida, em que o mesmo relatava ter caído em um golpe de venda de carro. A partir daí descobriu-se um verdadeiro esquema com “efeito dominó”, pois diversas outras pessoas que também teriam caído no mesmo tipo de golpe da compra do carro e outros golpes de ordem financeira, foram localizadas. “O Robinson é uma pessoa extremamente cativante, muito inteligente e bom de papo. Aqui na Florida ele se apresentou como empresário de sucesso, ligado ao comércio de automóveis e proprietário de duas agências de carros usados em Massachusetts. Ele oferecia carros por um preço atrativo, justificando que comprava esses carros em leilão, convencia as vítimas a entregarem o dinheiro para ele e, como garantia, dava cheques no valor da negociação. Esses carros nunca chegaram na Florida e quando as vítimas depositavam os cheques para tentar reaver o dinheiro pago, o cheque era sem fundo, roubado ou ainda a conta estava encerrada”, relatou Marco Aurélio, morador de Orlando (Florida).

Profundo conhecedor do mercado de carros usados, as vítimas relatam que Robão tem grande desenvoltura e poder de convencimento. Seduzidas pela oferta de obter o carro desejado com um preço atrativo, as vítimas entregavam o dinheiro pessoalmente, transferiam o valor para a conta pessoal do mesmo ou ainda faziam cheques nominais para que ele pudesse sacar o valor no banco. Tudo de acordo com o valor da “venda”.

Recentemente Antônia Sampaio, moradora de Massachusetts, denunciou Robinson, através de uma publicação em uma comunidade brasileira do Facebook direcionada a brasileiros residentes no estado. Na publicação ela relatava ter caído em um golpe e pedia ajuda para conseguir o atual endereço de Robinson, que segundo relatos, transita sempre entre a Florida e Massachusetts, sem ter um endereço fixo, para que assim ela pudesse dar entrada com uma ação criminal contra Robão. Segundo relatado, ela também caiu no golpe do brasileiro que envolvia a compra de um carro, em que o prejuízo seria em torno de US$2.500.  Através dessa denúncia, novamente, diversas outras surgiram, dessa vez as vítimas que teriam caído no golpe são de Massachusetts.

Uma das vítimas que reside atualmente em Revere, e que pediu para não ter sua identidade revelada, conta que conheceu Robão através de uma abordagem dele em um restaurante, enquanto almoçava com uma amiga. “Estávamos em um restaurante brasileiro e ele veio até nós se apresentando, dizendo que trabalhava com venda de carros, que tinha carros com preços bons e deixou o contato. Como eu precisava de um carro ele me convenceu a comprar com ele. Na verdade, ele trabalhava em uma famosa loja em Everett, mas disse que iria conseguir ‘por fora’ um bom carro para mim em um leilão. Entreguei US$ 10 mil para e ele me deu cheques como ‘garantia’. O carro nunca chegou, quando depositei o cheque, a conta estava encerrada. Depois de muita pressão, consegui reaver US$3 mil e nada mais”, relata a mulher. “Ele gosta de se mostrar, andar de Mercedes, ganhar a confiança das pessoas no papo”, complementa.

Outra vítima, que se apresentou apenas como “Fernando”, morador de Oakland (Florida) relata que em maio de 2015 também caiu na boa conversa do “empresário bem-sucedido” de Massachusetts. “Fiz um empréstimo no banco para comprar o carro. Entreguei o dinheiro para o Robinson, ele me deu cheques como garantia. Depois de muito me enrolar para entregar o carro, que não chegava nunca de Massachusetts, fui tentar reaver o dinheiro depositando os cheques, foi quando descobri que a conta dele estava encerrada. Fiquei sem dinheiro, sem o carro e com a dívida. Estou pagando as parcelas do empréstimo que fiz no banco até hoje. Ando em um carro ano 99 caindo aos pedaços. Sou pobre, pago aluguel. É revoltante e ao mesmo tempo vergonhoso pensar que caí na lábia de um sujeito como esse”, relata revoltado.

Endrews Silva, morador de Marlborough também caiu no golpe, mas dessa vez de forma diferente. “Eu conhecia o Robinson desde 2006, por causa da minha ex-mulher que o conhecia. Nunca fomos amigos, mas nos conhecíamos. Em 2013 estava a vendendo meu carro, um Toyota cinza 2009, por US$10 mil.  Ele soube e me disse que tinha uma pessoa que que estava muito interessada em comprá-lo. Disse que era para eu ficar despreocupado, por que a negociação era certa, pois seria feita por um banco. Pegou os documentos do carro e em garantia me deu um cheque e a cópia do passaporte dele. Passaram-se os dias e nada da resposta do banco quanto a suposta aprovação ou não. Descobri, através de um amigo que trabalha com carros, que ele havia dado o meu carro para quitar uma dívida que ele tinha no valor de US$7 mil. Quando o questionei, ele surpreso acabou confessando que precisava quitar uma dívida e usou o meu carro para isso. Depois de muito pressioná-lo ameaçando denunciá-lo em uma rádio brasileira, ele se apressou em me devolver US$3 mil e me deu cheque de terceiros com o valor restante, quando fui sacar, não tinha fundos”, conta. Endrews conta que sempre que liga para Robinson para saber quando ele irá devolver o restante do valor, ele atende as ligações normalmente, fazendo promessas que nunca são cumpridas. “Ele atende o telefone tranquilamente. Diz que vai pagar e só enrola”.

Segundo informações das vítimas, Robinson costuma se infiltrar e sociabilizar em igrejas evangélicas brasileiras, na Florida e em Massachusetts, para ganhar a confiança dos frequentadores e assim fazer novas vítimas. “Ele não respeita ninguém. É um falsário bom de papo, sem escrúpulos nenhum. Já deu muitos golpes na comunidade, desde pequenos valores até mais altos. De pessoas humildes a empresários. Ele é muito perigoso. Se aproveita que muitos brasileiros estão ilegais e tem receio de denunciar ou mesmo de formalizar uma queixa criminal para fazer novas vítimas. E quanto aos empresários, ele tira proveito que muitos não gostam de ver ser nomes envolvidos em escândalos e acabam deixando para lá. Alguém tem que dar um basta nessa situação. Ele precisa ser deportado e preso. Mesmo estando ilegal no pais há muitos anos, mesmo à distância, ele consegue fazer vítimas até no Brasil com um esquema transferência de valores envolvendo ‘doleiros’. Chega de fazer as pessoas de otárias. Isso é no mínimo revoltante! ”, desabafou uma das vítimas.

Pelo menos uma das pessoas que relata ter sido enganada e prejudicada pelo brasileiro, afirma ter registrado uma queixa criminal contra ele, que já estaria sendo investigada pela polícia do estado de Massachusetts.

Tentamos contato com o Robinson para ouvir o que ele tem a dizer em sua defesa a respeito das denúncias, mas até o fechamento dessa edição, não obtivemos o retorno.

Fonte: Da redação