Publicado em 28/09/2016 as 7:00pm

Brasileiros ricos não estão entre os que mais compram Green Card para viver nos EUA

Os empresários brasileiros investem no programa EB-5, mas chineses lideram a lista dos 10 primeiros países

Talvez, o dinheiro não compre felicidade, mas, certamente ele compra vistos para investidores estrangeiros ricos viverem nos Estados Unidos. Quase 10 mil green cards estão à venda todos os anos e o valor inicial é US$ 500 mil conforme o polêmico programa federal de imigrantes investidores EB-5. Apesar de muitos investidores brasileiros terem se beneficiado com o programa, a China ainda é o país líder nas aplicações para o visto.

O acordo: Empresários americanos recebem injeções de dinheiro para estimular a economia e o aumento de vagas de trabalho. Em troca, os investidores estrangeiros ricos pulam para a frente da fila de espera migratória, geralmente evitando a rigorosidade do processo que os outros candidatos enfrentam. Entretanto, o EB-5 está sendo criticado devido às preocupações com fraude, privilégios e segurança nacional especialmente nesse ano eleitoral, no qual a imigração é um dos temas principais. O relatório do Departamento de Contabilidade Governamental, incluindo um em setembro e outro em 2015, culparam os reguladores de relaxarem na supervisão. Ao menos que o Congresso estenda o EB-5, o programa terminará em 30 de setembro, com o final do ano fiscal federal.

A maioria dos vistos para investidores vai para os chineses. Eles receberam 83% dos 9.764 vistos EB-5 emitidos em 2015.

. Green card e futebol:

Há anos, times esportivos tentam compensar os gastos milionários com a construção de novos estádios encorajando os fãs a pagar por assentos especiais durante as temporadas dos jogos. O empresário carioca Flávio Augusto da Silva ampliou esse conceito, pois está oferecendo aos investidores do Brasil, China e outros países a pagar US$ 500 mil em cotas do estádio que ele está construindo no centro de Orlando (FL). Em troca, o proprietário majoritário do maior time de futebol da liga MLS, o Orlando City, oferece dividendos anuais, dois ingressos por estação e a residência permanente (green card), que beneficiaria os investidores e seus familiares.

A oferta do visto é legal e se aproveita de um programa criado há 25 anos, conhecido como EB-5, que está sendo reavaliado pelo Congresso. Instaurado em 1990, o programa visa ajudar o patrocínio de projetos de infraestrutura em áreas rurais e vizinhanças urbanas pobres. Depois que os empréstimos bancários escassearam na última recessão, os empreendedores utilizaram o programa para financiar hotéis, condomínios e outros projetos de Manhattan (NY) até Miami (FL). Como resultado, o número de vistos EB-5 concedidos aumentou para quase 9 mil em 2015, em contraste com menos de 100 em 2003.

Silva está construindo um estádio de US$ 156 milhões e não um arranha-céu ou centro comercial e ele procura investidores estrangeiros não porque o financiamento está escasso, mas devido ao fato que os legisladores na Flórida não autorizariam subsídios ao estádio no bairro Parramore em Orlando.

Para qualificar para um visto EB-5, o candidato deve investir pelo menos US$ 1 milhão, ou US$ 500 mil numa área com nível alto de desemprego, em um negócio comercial novo que crie ou mantenha pelo menos 10 vagas de trabalho. Caso aprovado, o investidor e seus dependentes recebem a residência condicional; eles podem aplicar para a residência permanente depois de 2 anos. O dinheiro geralmente para nos bolsos de investidores ainda mais ricos.

Em New Jersey, foram levantados US$ 50 milhões através do programa EB-5 para ajudar a patrocinar a Trump Bay Street, um prédio de apartamentos de alto luxo em Jersey City, segundo um relatório da Bloomberg. O projeto é liderado por Jared Kushner, genro do candidato presidencial republicano, Donald Trump.

Trump vendeu a utilização de seu nome a Kushner. “Esse foi um acordo altamente vitorioso, mas ele (Trump) não é sócio no financiamento da obra”, disse um representante de Trump a Bloomberg.

Entre os 10 países que mais investem no programa EB-5, estão:

1) China (continental) com 8.156,

2) Vietnam com 280,

3) China (Taiwan) com 139,

4) Coréia do Sul com 116,

5) Índia com 111,

6) Rússia com 88,

7) Reino Unido com 84,

8) México com 77,

9) Venezuela com 72 e

10) Irã com 62.

Fonte: Brazilian Voice