Publicado em 30/09/2016 as 8:00pm

Mulher acusada de traficar imigrantes é indiciada em Detroit

O crime de tráfico de pessoas para fins de ganho ilícito é punível com até 15 anos de prisão.

Uma mulher de Windsor (Michigan) foi indiciada por um grande Júri da cidade de Detroit pela acusação de contrabando de imigrantes e conspiração para cometer fraude de Visto. O processo de acusação tinha 21 páginas e a acusação alega que Iran Jafri operou um esquema ao longo de cinco anos para traficar imigrantes para os Estados Unidos, por Detroit, mediante a cobrança de taxas.

Jafri, 37 anos, é acusada de criar e solicitar documentos fraudulentos para facilitar a entrada ilegal de vários imigrantes durante os cinco anos que operou o esquema. Os promotores afirmam que ela aceitou milhares de dólares para a sua empresa familiar, A.J. & Associates Immigration Firm.

A acusação identificou sete indivíduos, através dos documentos, os quais foram supostamente contrabandeadas para os Estados Unidos por Jafri usando camadas de documentos fraudulentos que ela criou.

Jafri fez uma aparição em um tribunal federal na quarta-feira (28), em Detroit, onde foi formalmente acusada pelos crimes. A juíza Mona K. Mazjoub ordenou que ela permaneça temporariamente detida.

Na queixa criminal contra Jafri, Andrew West, um agente especial do Departamento de Estado dos EUA, alega a partir de 2011 até o presente momento, ela se evolveu em um esquema para obter de forma fraudulenta de vistos para imigrantes que viverem e trabalharem nos Estados Unidos com o objetivo final de obter residência permanente para eles.

Segundo a denúncia, na primeira fase do esquema, Jafri obtinha ilegalmente o Visto H-2A para trabalhadores agrícolas temporários. O programa permite que os empregadores tragam estrangeiros para os Estados Unidos para preencher postos de trabalho sazonais.

Após os imigrantes entrarem nos Estados Unidos com vistos ilegais, Jafri apresentava documentos adicionais solicitando vistos profissionais para alguns dos estrangeiros, de acordo com a denúncia.

Na última etapa, Jafri entrava com pedido em nome de sua empresa para obter um Green Card para o imigrante, o que permitiria que ele ou ela residisse nos Estados Unidos de forma permanente. A acusada não tem antecedentes criminais e nasceu no Canadá. Por isso a Juíza determinou que ela não tivesse direito a fiança, pois os Promotores alegaram há perigo dela fugir do país.

O crime de tráfico de pessoas para fins de ganho ilícito é punível com até 15 anos de prisão.

Fonte: Da redação