Publicado em 18/10/2016 as 11:30pm

Polícia americana identifica suspeitos de agressão que matou gaúcho na Flórida

Polícia americana identifica suspeitos de agressão que matou gaúcho na Flórida

A polícia de Winter Park, na Flórida, garante ter identificado os suspeitos da agressão que provocou a morte do gaúcho Roger Thomé Trindade, de 15 anos, no último sábado. A informação foi divulgada em coletiva de imprensa, transmitida ao vivo, nesta terça-feira, pela Wesh TV, emissora ligada à rede de televisão NBC.

Segundo o site do jornal Zero Hora, o chefe de polícia, Michael Deal, não citou os nomes dos envolvidos para não atrapalhar a investigação. Imagens de câmeras de segurança da região estão sendo analisadas. De acordo com a polícia, um grupo pessoas teria se aproximado de Roger logo após sua chegada no parque e usado um spray para atacá-lo. O espancamento começou em seguida. 

Deal afirmou que o departamento de polícia ainda não sabe a motivação do crime, mas descartou a possibilidade de relação com briga de gangues ou racismo. Ressaltou que trata-se de um caso isolado, que gerou muita repercussão na imprensa local. 

A morte de Roger, natural de Novo Hamburgo, no Vale do Sinos, foi confirmada por familiares no fim de semana, mas a polícia de Winter Park não havia se manifestado publicamente até o momento. 

— Já identificamos alguns suspeitos e estamos em contato com familiares, mas não podemos dar mais detalhes para não prejudicar a investigação. Ainda não prendemos ninguém porque estamos investigando o caso. Precisamos esclarecer o que realmente aconteceu. Ainda não sabemos as motivações — disse Deal.

De acordo com o chefe do departamento de polícia de Winter Park, os policiais encontraram o adolescente inconsciente no parque e com ferimentos graves. Ele foi levado para o hospital, onde foi mantido com vida por aparelhos, que foram desligados na noite desta segunda-feira. A causa da morte ainda não foi esclarecida, e a polícia comunicou que está aguardando o resultado de exames médicos.

— Não acreditamos que havia um plano para a morte dele. Achamos que foi um fato isolado. Não temos indicação de que ele sofria ameaças ou algo do tipo. Ele era um bom menino — afirmou o chefe do departamento de polícia de Winter Park.

A demora por respostas do caso foi questionada por jornalistas durante a coletiva de imprensa. Deal se defendeu e garantiu que a polícia não está escondendo informações da comunidade.

— Não estamos tentando esconder nada. Queremos manter a integridade da investigação. Entendo a necessidade da comunidade de ter essas informações, mas quero que compreendam que estamos investigando. Também precisamos respeitar a família — disse.

Pressionado por jornalistas e pela comunidade sobre insegurança no local, o chefe de polícia rebateu:

— O parque é um lugar é seguro. Nós podemos garantir isso. Sempre teve jovens circulando e isso nunca aconteceu. Foi um caso isolado. Ele poderia estar no lugar errado, na hora errada. Acho que não precisamos aumentar a segurança na região. Repito: é uma área segura. Não há motivos para preocupação — afirmou.

O prefeito de Winter Park, Steve Leary, falou antes do chefe de polícia na coletiva de imprensa e também tratou de garantir segurança para os moradores da cidade.

— Esse é um caso de sofrimento inacreditável para nós e para os familiares. Foi um caso isolado que não representa perigo para a nossa comunidade. Agora, estamos buscando respostas na investigação policial. Peço orações de toda a comunidade para a família da vítima e que respeitem sua privacidade nesse momento de dor — disse.

Roger Thomé Trindade se mudou em janeiro deste ano para os Estados Unidos. De acordo com a prima, Ana Luiza Thomé, o pai dele foi transferido a trabalho para a Flórida.

Fonte: Zero Hora