Publicado em 13/11/2016 as 4:00pm

Manifestantes marcham por NY para 'demitir' Donald Trump

O bordão de Trump no reality "O Aprendiz" foi um dos vários gritos que ecoaram entre milhares de manifestantes em New York

Eles marcharam 45 ruas sob a chuva para dar um recado ao presidente eleito dos EUA, Donald Trump: "Você está demitido".

O bordão de Trump no reality "O Aprendiz" foi um dos vários gritos que ecoaram entre milhares de manifestantes em New York e em pelo menos outras seis cidades dos EUA na noite de quarta-¬feira (9), menos de 24 horas após o republicano ser escolhido como o novo chefe da Casa Branca.

"Eu avisei, eu avisei", disse Michael Moore à Folha, no meio da multidão.

O documentarista lançou no mês passado "Michael Moore in TrumpLand" e, em julho, escreveu um texto se dizendo convencido de que o republicano venceria Hillary Clinton. Ali, vaticinava: "Você está numa bolha com câmara de eco adjacente, onde você e seus amigos se convencerem de que o povo não elegerá um idiota para presidente".

"A maioria não queria esse cara lá", disse Moore, lembrando que Hillary teve mais votos populares, mas foi superada no Colégio Eleitoral.

O cineasta caminhava ao lado de um grupo fazia campanha por um "presidente Moore", o que ele logo descartou: "Sem essa besteira de celebridade, esquece a selfie, vamos marchar, gente".

Enquanto Moore prometia "fazer o que puder para que nossos irmãos latinos não sejam prejudicados", um trio de garotas se protege da chuva com uma bandeira do México. Na corrida, Trump prometeu deportar milhões de imigrantes ilegais e construir um muro na divisa com país vizinho.

No primeiro e dificilmente último protesto contra o futuro presidente em Nova York também irromperam coros de "black lives matter (vidas negras importam) e variações com latinos, muçulmanos e transexuais? "one step forward to 50 years back" (um passo à frente para voltar 50 anos) ? "we want better" (queremos algo melhor) ? "Trump is a clown, bring that motherfucker down" (Trump é um palhaço, derrubem esse filho da p..)? e o mais sintético de todos: "Fuck Trump" (foda¬se Trump).

Alguns choravam em frente à Trump Tower na Quinta Avenida de Manhattan, onde o bilionário mora numa cobertura tríplex com design inspirado no rei francês Luís 14 e pinturas clássicas no teto.

A maioria, contudo, gritava. E gritava com força. O filipino Red October, que só aceitou dar seu nome de guerra (outubro vermelho, em português), diz que perto de Trump o presidente de seu país "é um doce" –em setembro, Rodrigo Duterte se comparou com o líder nazista Adolf Hitler e disse que "ficaria feliz" em exterminar 3 milhões de usuários de drogas e traficantes locais.

"Acordei no mesmo clima do 11 de setembro", disse Jessica May, 28, revivendo "a angústia" que sentiu após os atentados de 2001 na cidade. "A diferença é que a gente oficialmente chamava aquilo de terrorismo. Trump a gente chama de presidente."

Fonte: Da redação