Publicado em 20/11/2016 as 8:42pm

Família de jovem morto na travessia agradece a comunidade

Comunidade brasileira foi solidária e menos de 24h campanha atingiu a meta e corpo do Jefferson Eduardo deve ser enviado ao Brasil ainda essa semana

Na última sexta-feira, dia 18 de novembro, noticiamos o falecimento do jovem brasileiro Jefferson Eduardo de Oliveira, que aos 20 anos perdeu sua vida precocemente ao tentar a arriscada travessia pelo México. Jefferson era lavrador, nasceu em Tarumirim (Minas Gerais) e morava em Plautino Soares, município de Sobrália. Assim como muitos brasileiros, tinha o sonho de uma vida melhor e resolveu se arriscar a entrar nos Estados Unidos através da fronteira com o México. Seu destino era Massachusetts, onde seus tios e primos residem.

No último sábado, dia 12, ele entrou em contato pela última vez com seus familiares, através do aplicativo WhatsApp, para avisar que ainda naquela tarde faria a travessia. Enviou uma foto e um áudio para o seu tio Luciano de Oliveira. Jefferson estava na companhia de quatro pessoas, sendo duas delas amigos dele. Na quarta feira (16), a família soube que esses dois amigos estavam presos e eles informaram que não sabiam do paradeiro de Jefferson, mas acreditavam que ele tivesse sido levado em outro carro pelos agentes da imigração e que também estivesse preso.

No mesmo dia o telefone de Luciano Oliveira, tio de Jefferson, tocou. Era uma pessoa que se identificou como sendo do resgate, informando que um corpo havia sido encontrado no rio de New Laredos (Texas), e que aquele número de telefone se encontrava junto a roupa. Luciano, assim como os demais familiares, ficou desesperado com a possibilidade do corpo encontrado ser do sobrinho e pediu para que lhe enviassem uma foto para identificação. “Eles mandaram uma foto, mas o corpo estava irreconhecível, só conseguimos identificar que era o meu primo através da roupa, pois como ele tinha nos mandado uma foto na tarde em que ele faria a travessia, foi assim que vimos que era ele mesmo”, relatou a prima Vanessa de Oliveira em conversa com o BT.

Vanessa conta que imediatamente entraram em contato com os pais de Jefferson no Brasil, mas que eles não acreditavam que aquilo poderia ter acontecido. Para ter certeza que se tratava do jovem o tio entrou em contato mais uma vez com o resgate e pediu uma foto do braço esquerdo do corpo encontrado, pois Jefferson tinha uma tatuagem em homenagem a mãe. Através dessa tatuagem foi possível confirmar que realmente se tratava dele.

Após a confirmação da morte de Jefferson, os familiares observaram que o WhatsApp permanecia como “online” e decidiram ligar. Para a surpresa deles um homem, que falava em espanhol atendeu a ligação. “Perguntamos do Jefferson, o por que ele estava com o telefone do meu primo e ele dizia que tinha achado aquele telefone na fronteira e davam risada na nossa cara”, afirmou vanessa. Ela ainda conta que até a tarde de ontem (quinta-feira, 17), a pessoa que esta em posse do parelho de telefone de Jefferson, ligou para eles e também para alguns contatos que Jefferson tinha no aplicativo, pedindo para colocarem crédito no telefone.

Tentamos contato com o número, que aparece que esteve online pela útima vez ontem às 4:18pm, para tentarmos saber alguma informação sobre o que teria acontecido com o jovem mineiro durante a travessia, mas a ligação não foi atendida.

O Brazilian Times recebeu mensagens através do Facebook, de pessoas do Brasil dizendo que especula-se, em Minas Gerais, que a morte de Jefferson teria alguma ligação de uma dívida de um dos guias com um dos coiotes. “Muitos estão falando que ele foi torturado, que deram um tiro nele e jogaram em um rio... Dizem que foi por causa de dívidas que o guia tinha com coiotes, mas isso tudo eu ouvi de terceiros”, revelou uma fonte ao BT.

Questionamos a Vanessa sobre a veracidade dessas informações, ela confirmou que a família também já ouviu essa versão, mas que até o momento não se sabe o que realmente aconteceu. “A gente não sabe, não temos certeza... Só sabemos que ele foi achado no rio, mas não sabemos do que ele morreu, o que aconteceu, se realmente tem algum tiro no corpo dele.”

Sem condições financeiras para enviar o corpo para o Brasil, a família de Jefferson iniciou uma campanha nas redes sociais divulgando uma página de arrecadação para conseguirem o valor necessário para que o corpo do jovem pudesse ser velado e enterrado no Brasil, dando assim uma oportunidade para que a família se despeça de seu ente querido de forma digna. Em menos de 24 horas os $10 mil foram arrecadados e o corpo de Jefferson deve ser preparado e enviado ao Brasil ainda essa semana.

“Queria agradecer a todos que ajudaram a divulgar a campanha e a todos os que doaram. Que Deus abençoe a todos e retribua tudo em dobro. Somente Deus pra abençoar. Meus sinceros agradecimentos”, agradeceu a prima de Jefferson, Vanessa de Oliveira.

“Meu nome é Luciano de Oliveira, sou tio do Jefferson Eduardo De Oliveira, quero aqui agradecer a todos que ajudaram na arrecadação de dinheiro para translado do corpo de meu sobrinho. Agradeço a todos que fizeram a doação e também a todos que ajudaram a divulgar que Deus os retribua em dobro, pois somente Ele pra retribuir.

A família agradece a todos, pois em nome de Jesus o Jefferson vai ter um velório digno, junto de sua esposa seus pais e sua irmã. Ele vai poder voltar pra onde ele viveu a vida toda... Nossos sinceros agradecimentos!”.

Fonte: Da redação