Publicado em 5/12/2016 as 6:00pm

CPS recusa ajudar crianças imigrantes vítimas de crimes

CPS recusa ajudar crianças imigrantes vítimas de crimes

Nos últimos oito meses, a Child Protective Services (CPS) do Texas rejeitou "silenciosamente" os pedidos de ajuda a crianças indocumentadas que são vítimas de crimes. Em abril, a agência abandonou sua política de fornecer certificações para vistos especiais que protegem as vítimas de crimes que ajudam na aplicação da lei ou em uma investigação. Advogados e ativistas disseram que não foram dadas nenhuma explicação para a mudança súbita nesta política.

"Não houve um anúncio ou algo assim", disse Glenaan O'Neil, diretor regional de serviços ajuda a vítimas imigrantes no Texas Civil Rights Project. Ela relata que apresentou um pedido de uma jovem vítima de violência doméstica, em maio. "Foi-me dito: 'Oh, não vamos mais fazer isso." Imediatamente ela começou a contatar colegas de outras organizações que defendem os imigrantes e rapidamente descobriu que eles também receberam respostas negativas do CPS.

O visto, oficialmente conhecido como visto de não imigrante U, foi criado pelo Congresso em 2000 como parte da Lei de Vítimas de Tráfico e Violência. Ele permite que imigrantes vítimas de crimes permaneçam nos Estados Unidos por até quatro anos, se tornando elegíveis, bem como os seus familiares, a solicitar um Green Card.

Desde que a política foi implementada, Julie Wimmer, advogada do Texas RioGrande Legal Aid, disse que ela teve vários clientes recusados para aplicar para vistos U porque não conseguiam obter a certificação da CPS. Em alguns casos, os crimes também são investigados por outras agências - geralmente a polícia -, mas cada um tem suas próprias políticas sobre se eles vão assinar as certificações.

Até abril, a CPS era uma das poucas agências que os advogados podiam contar para assinar as certificações para crianças vítimas de crime, independentemente de onde elas estavam localizadas.

Fonte: Brazilian Times