Publicado em 6/12/2016 as 8:00pm

Com câncer, brasileiro é expulso de casa e quer voltar ao Brasil

"Os médicos me deram de seis a um ano de vida", fala o capixaba Olício Campos

O capixaba Olício Campos, 71 anos, que mora nos Estados Unidos há 16 anos, recentemente foi diagnosticado com câncer nos ossos e em uma entrevista para o grupo no Facebook Brazilian Globe, contou um pouco de sua história e como está enfrentando a doença. “Os médicos me disseram que não há cura, por isso quero voltar ao Brasil e ficar ao lado dos meus parentes”, disse.

Olício estava internado e nesta terça-feira (06) recebeu alta do hospital e através do vídeo publicado no grupo, ele afirma que foi expulso do apartamento onde morava depois que a responsável ficou sabendo de sua doença. “Eu comecei a passar mal e as coisas foi piorando, eu fui para o hospital e enquanto eu estava internado, esta pessoa colocou as minhas coisas para fora da casa, em Somerville (MA)”, disse.

A explicação dada ao capixaba é que a responsável pelo apartamento não queria ninguém doente na casa. “Graças a Deus uma pessoa boa de coração me acolheu e não me deixou na rua”, afirmou. “Eu estava com aluguel pago e não devia nada. Ela proibiu a minha entrada na casa”, continuou.

Olício, quando chegou nos Estados Unidos, trabalhou com pintura e atualmente trabalhava com cerâmica. “Mas há pouco mais de um mês estou parado, porque não consigo trabalhar devido à doença”, explica.

Há 13 anos, Olício teve câncer na próstata, fez o tratamento e conseguiu se curar. “Agora este câncer voltou atacando meus ossos”, fala ele que já fez cinco sessões de radioterapia. “Os médicos me falaram que está doença não tem curo e por isso quero voltar ao Brasil”, continua.

A viagem de volta está programada para sábado e seus parentes já sabem da doença e o esperam para apoiar e ajudar nesta luta contra a doença. Bastante emocionado e com a voz embargada, Olício pede ajuda da comunidade. “Queria que vocês se sensibilizassem com a minha história. Eu não tenho condições financeira de pagar todo o tratamento”, chora ao falar. “Os médicos me deram de seis meses a um ano de vida. Mas eu não acredito nisso. Eu acredito em Deus”, segue.

As pessoas que quiserem colaborar pode entregar qualquer quantia para Joana, a amiga que o acolheu quando ele foi expulso de casa. “Nós estamos ajudando à medida do possível e não temos condições de ficar com ele, que não tem seguro de saúde”, disse ela lamentando a situação do amigo.

No momento da entrevista, a pastora Terezinha estava na residência visitando o brasileiro. Ela, que ministra como pastora evangélica nos Estados Unidos há 28 anos, ressaltou que mesmo os médicos dando prazo para a vida de Olício, “cabe a Deus decidir”.

O telefone para saber como ajudar é (617) 501-2118.

Fonte: Brazilian Times