Publicado em 9/12/2016 as 6:00pm

Imigrante é acusado de tráfico de drogas e posse ilegal de arma em Somerville

A polícia flagrou Fernando Martins comprando cocaína com intenção de distribuir

No dia 1º, a unidade de controle de drogas de Somerville (Massachusetts) montou uma vigilância de rotina na altura do 30 River Road. Isso aconteceu depois que um informante da polícia relatou que um ponto utilizado para o tráfico de heroína e outras drogas, onde um dos suspeitos seria Joseph Flynn.

Por volta das 4:30 p.m., segundo o Boletim de Ocorrência, um dos policiais observou Flynn sair da residência e caminhar até um Porsche SUV de cor cinza. “O suspeito abriu a porta do motorista, fechou-a rapidamente e retornou para o interior da casa”, relatou.

Depois de alguns minutos, um Lexus sedan de cor cinza estacionou na esquina da River Road com a Canal Lane. O policial solicitou informações do registro do veículo através do seu sistema portátil. O veículo estava registrado em nome de Max Charron, de Cambridge (MA). O) oficial observou que havia várias pessoas no interior do automóvel, que ficou estacionado em uma área proibida.

O policial lembrou que já havia interrogado Charron na delegacia de polícia da cidade, o qual teria dito que servia de carona para amigos comprarem narcóticos, mas que ele só fumava maconha.

Ainda durante seu interrogatório, no passado, Charron confirmou sua associação com Fernando Martins, o qual é bastante conhecido dos policiais de Somerville, através dos vários boletins de ocorrência registrados na delegacia.

Depois de alguns minutos estacionado na esquina River Road com a Canal Lane, o veículo dirigiu-se à River Road e estacionou em frente ao número 30. Depois de alguns segundos, o policial viu quando um homem, mais tarde identificado como Fernando Martins, saiu da porta traseira do carro, atrás do motorista.

Enquanto Martins caminhava até a frente do veículo, Flynn saiu de sua residência e se encontrou com ele. Os dois trocaram algo e Flynn imediatamente retornou para a casa e Martins foi entrou no carro.

Baseado em seus conhecimentos, o policial definiu que se tratava de uma transação de drogas na rua. Quando o Lexus saiu em direção à Memorial Road, uma patrulha de vigilância o seguiu e outra ficou em frente à residência de Flynn.

O policial que seguiu o Lexus, ficou ao lado do veículo e constatou que o passageiro no banco de trás era mesmo Fernando Martins e o motorista era Charron. O carro dos suspeitos seguiu para a McGrath Highway na direção sul, para Highland Avenue. Nesse momento, o policial pediu para apoio de outras viaturas para que o veículo fosse parado, de modo que pudesse ser realizado uma investigação nos ocupantes.

Enquanto o veículo continuava para o sul na McGrath Highway, o Capitão Michael Cabral, o policial Patrick Canty e o Sargento Capasso o esperavam na interseção de McGrath Highway e Greenville Street. Quando o veículo passou pela viatura do sargento Capasso, ele imediatamente ligou suas luzes e sirenes de emergência em uma tentativa de pará-lo.

O veículo não parou e continuou na McGrath Highway em direção à saída da Somerville Avenue, onde ele então parou.

O sargento Capasso relatou que havia dois passageiros no banco de trás se movimentando muito, antes do veículo a motor parar.

Quando o sargento Capasso e outras unidades se aproximaram, foi solicitado que todos saíssem do veículo para fins de segurança dos policiais.

O policial perguntou a Martins de onde dele vinha e o mesmo respondeu que estava vindo de uma loja de conveniência. Em seguida, o indagou qual o nome da loja e o suspeito não disse que não sabia o nome.

O oficial também perguntou o que Martins tinha comprado na loja e o mesmo disse que foi uma bebida. “Onde está a bebida?”, indagou o policial. “Não sei”, respondeu Martins.

Ao ser questionado sobre seu passado, Martins disse que tinha acusações de posse de armas e venda de cocaína e neste momento ficou muito nervoso, com respiração ofegante e tenso.

O policial pediu para que Martins esperasse com o Sargento Capasso, para que ele pudesse falar com o motorista, Charron.

O motorista disse que Martins lhe pediu uma carona até a Mystic Housing Development. “No trajeto, Martins fez alguns telefonemas e me pediu para leva-lo à River Road para pegar algo de um amigo”, disse.

O policial perguntou o que havia dentro do veículo e Charron disse que não tinha certeza. “Você dirigiu para Martins até a 30 River Road para realizar uma transação de drogas”, disse o oficial. Charron abaixou a cabeça e não falou nada.

Mais uma vez o policial perguntou o que havia dentro do veículo e Charron afirmou que não tinha certeza. Neste momento, o policial dirigiu-se ao interior do Lexus e encontrou um saco de plástico transparente contendo outros dois grandes sacos plásticos transparentes, que continham uma substância branca em pó que podia ser cocaína. No porta-malas, o policial encontrou uma arma de fogo enrolada em uma camiseta e na jaqueta de Martins havia uma pistola Daisy Pellet.

Neste momento, o policial deu voz de prisão aos ocupantes. Após a prisão dos três ocupantes do veículo, o policial retornou para o 30 da River Road, onde prendeu Flynn por distribuir uma substância de classe B, cocaína.

Quando os policiais bateram aporta, Flynn abriu a cortina e quando viu a presença dos policiais saiu correndo. Um dos policiais usou uma chave mestra e conseguiram entrar rapidamente com medo do suspeito destruir as provas. Flynn também foi preso.

O policial relatou que a quantidade de cocaína encontrada com Martins e com Flynn, mostra que o encontro dos dois serviu para que a droga fosse passada adiante, uma espécie de "re-up", que ocorre quando um pequeno traficante de droga compra uma quantidade de drogas com a finalidade de adicionar agentes para aumentar o peso e pô-la para revenda.

Fonte: Brazilian Times