Publicado em 21/12/2016 as 3:00pm

Nova York lança campanha contra discriminação a imigrantes

Denúncias de crimes de ódio e discriminação aumentaram 30% em 2016. Anúncios publicitários serão publicados para combater preconceito

 “Volte para o seu país!", é o grito que muitos imigrantes já escutaram nos Estados Unidos. Mas New York, uma das cidades mais diversificadas do mundo, não está disposta a tolerá-lo, e anunciou nesta terça-feira (20) uma campanha contra o assédio e a discriminação.

Após constatar um aumento de 30% nas denúncias de crimes de ódio ou episódios de discriminação por raça, religião, origem ou orientação sexual em 2016, a prefeitura decidiu publicar anúncios publicitários contra a intolerância, em inglês e espanhol, em estações de metrô, redes sociais e jornais dirigidos a distintas comunidades.

Também ampliará uma linha telefônica para denunciar estes episódios e criará uma equipe para monitorar este tipo de incidentes e ajudar as vítimas.

"A cidade de NY não vai permitir que os crimes de ódio e incidentes de discriminação fiquem impunes, e continuaremos enfrentando com firmeza os que queiram nos dividir", disse em um comunicado o prefeito democrata, Bill de Blasio, que se candidatará à reeleição em 2017.

"New York sempre foi uma cidade que dá as boas-vindas a todos, independentemente de quem você é ou da sua crença", acrescentou o prefeito desta cidade, que prometeu defender os imigrantes sem documentos dos planos de deportação do presidente eleito Donald Trump.

Os crimes de ódio aumentaram mais de 30% em 2016, principalmente contra muçulmanos, judeus, negros, latinos, asiáticos e a comunidade LGBT, segundo dados da polícia de NY, que investiga este tipo de delitos.

"Após a eleição, comunidades vulneráveis continuam relatando episódios de discriminação", disse a prefeitura, sem assegurar que estes tenham aumentado após a vitória de Trump, cuja campanha polarizadora atacou particularmente as minorias, incluindo mexicanos e muçulmanos.

As denúncias de discriminação ante a comissão de direitos humanos de Nova York também aumentaram 30% em 2016, segundo a prefeitura.

Por exemplo, uma mulher falava em albanês enquanto esperava o ônibus em Staten Island, quando um homem se aproximou e gritou: "Imigrantes ilegais, todos vocês deveriam voltar para os seus países!".

Outra mulher, com sotaque hispânico, ligou para uma empresa para solicitar um serviço e recebeu esta resposta: "Estou farta destes mexicanos estúpidos. Trump tem razão de querer mandar todos eles embora! São uma pilha de lixo".

Um de cada três moradores de NY nasceu fora dos Estados Unidos, segundo dados do governo da cidade.

Fonte: Brazilian Times