Publicado em 13/01/2017 as 12:20am

Brasileira desaparecida em Newark é encontrada em NY

Giovanna Decanio foi reconhecida nas imediações da Penn Station por uma pessoa que acompanhava o caso pelo Facebook

Na tarde de domingo (8), terminou em final feliz o drama vivido por Mônica Carioca, moradora em Newark, cuja filha, Giovanna Decanio, de 16 anos, fugiu da escola e estava desaparecida desde a manhã de quinta-feira (5). Na manhã de segunda-feira (9), Mônica relatou à equipe do BV que a adolescente foi vista por uma pessoa que acompanhava a busca pelo Facebook nas imediações da Penn Station de New York. A pessoa abordou a jovem e mostrou-lhe no telefone celular que sua mãe a procurava em New Jersey. Utilizando o mesmo aparelho, Giovanna enviou uma mensagem à Mônica pedindo-lhe desculpas e informando que, se fosse perdoada, voltaria para casa. O reencontro entre mãe e filha aconteceu no mesmo dia.

Mônica relatou ao jornal Brazilian Voice que a jovem havia perdido muito peso e que aparentava estar bastante deprimida. Ela acrescentou que Giovanna receberá auxílio psicológico e agradeceu a todos os amigos pelo apoio nas redes sociais e pelas orações. Ela evitou detalhar o caso, pois deseja manter a privacidade da família.

Entenda o caso:

Na manhã de quinta-feira (5), Mônica Carioca, como é conhecida popularmente na comunidade brasileira em Newark, recebeu às 8:30 da manhã um telefonema da escola que é o pesadelo de todas as mães: Sua filha adolescente Giovanna Decanio, de 16 anos, havia fugido da sala de aula, na Great Oaks Charter School, na 17 Crawford St., saído pelas portas dos fundos e desaparecido. Na ocasião, a jovem trajava o uniforme da escola e uma jaqueta branca.

Desesperada, Monica acionou a polícia e recorreu às redes sociais na esperança de encontrar a filha o mais breve possível. Em entrevista à equipe de reportagem do BV, na sexta-feira (6), ela relatou que recentemente a jovem apresentava comportamento rebelde e passou a tirar notas baixas nas provas.  No dia em que a filha desapareceu, ela iria à escola mais tarde para conversar com a direção e expor o problema.

Ela detalhou que morou 8 anos em Newark, antes de mudar-se com Giovanna para a Flórida, mas regressaram à cidade há 3 meses. Mônica, que trabalha na limpeza de casas, acrescentou que a filha nasceu no Rio de janeiro e vivia nos Estados Unidos há 4 anos. Ela possui outra filha mais nova que ainda mora no Brasil.

“Os jovens não nos escutam. Nós somos os últimos a ser ouvidos”, disse ela na ocasião.

Fonte: Brazilian Times