Publicado em 22/02/2017 as 3:00pm

DIA SEM IMIGRANTES: Mais de 100 trabalhadores são demitidos após paralisação

DIA SEM IMIGRANTES: Mais de 100 trabalhadores são demitidos após paralisação

Mais de 100 trabalhadores perderam seus empregos depois que participaram do protesto “Um dia sem imigrantes”, no dia 16. As informações foram divulgadas pela BBC News, a qual afirmou que entre os demitidos eram funcionários da construção civil e restaurantes.

O protesto teve como objetivo destacar a contribuição dos imigrantes para os Estados Unidos. Um empregador disse que sua equipe teria que “pagar o preço” por defender o que acredita. Jim Serowski, da JVS Masonry, em Commerce City (Colorado), afirmou que não se arrepende depois de ter demitido cerca de 30 pedreiros.

“Eles foram avisados que se não fossem trabalhar estariam prejudicando a empresa e se agisse contra a equipe não seria mais um membro dela”, disse ele.

O número exato de trabalhadores demitidos ainda não está claro, no entanto, os EUA informaram uma série de demissões ocorridas após o dia 16. Entre os que disseram ter perdido seus empregos estavam 12 funcionários de restaurantes em Tulsa (Oklahoma), e 18 funcionários de uma empresa de pintura comercial em Nolensville (Tennessee), de acordo com informações da NBC.

Empresas e escolas de todo os EUA enfrentaram uma grande paralisação no dia 16, quando trabalhadores e estudantes participaram de uma greve contra a dura posição do presidente Donald Trump em relação à imigração.

Em entrevista coletiva na semana passada, Trump disse que publicaria uma nova ordem executiva depois que os tribunais dos EUA bloquearam sua tentativa de impedir a entrada de imigrantes de sete países, em sua maioria muçulmanos.

A Associated Press citou que um alto funcionário do governo, na segunda-feira (20), disse que a nova ordem se dirigirá a pessoas dos mesmos países – Irã, Iraque, Síria, Iêmen, Somália, Sudão e Líbia.

Alguns protestos ocorreram em várias cidades dos EUA, incluindo na Times Square, em New York, durante o fim de semana, para apoiar os muçulmanos naturalizados norte-americanos e protestar contra as políticas de Trump.

Em Boston, centenas de cientistas saíram às ruas no domingo (19) para protestar contra a abordagem do presidente em relação às várias questões, entre elas a mudança climática.

Milhares de pessoas participaram de outras manifestações na segunda-feira para coincidir com o feriado do Dia dos Presidentes dos Estados Unidos.

Fonte: Brazilian Times