Publicado em 24/02/2017 as 2:35pm

Trump compara deportação de imigrantes ilegais a operação militar

Trump diz que "está expulsando 'caras maus' dos EUA num ritmo recorde". Secretário do governo americano diz que não haverá deportação em massa.

O presidente americano, Donaldo Trump, enviou dois representantes para o México. O objetivo é superar uma das maiores crises diplomáticas enfrentada pelos dois países em quase cem anos.

"Vai ser uma viagem difícil". Foi assim que Donald Trump definiu a visita do secretário de estado americano e do secretário de segurança interna ao México para discutir as políticas de imigração.

O presidente comparou as prisões e deportações de imigrantes sem documentos a uma operação militar e disse que "está expulsando 'caras maus' dos Estados Unidos num ritmo recorde".

A reunião dos dois secretários com o presidente mexicano Enrique Peña Nieto foi a portas fechadas.

Em janeiro, Peña Nieto cancelou uma visita a Washington, depois de Donald Trump insistir que o México tem que pagar pela construção de um muro na fronteira entre os dois países.

Esta semana, o governo americano divulgou regras mais rígidas para deter e expulsar do país imigrantes irregulares.

O secretário americano de segurança interna, John Kelly, disse que não haverá deportação em massa.

O secretário de estado, Rex Tillerson, reconheceu que os dois países têm suas diferenças. Mas destacou a cooperação nas áreas de energia, imigração legal, e segurança.

O ministro de relações exteriores do México disse que um governo não pode tomar decisões que afetem o outro de maneira unilateral.

"Para superar os sentimentos negativos que hoje prevalecem, o que importa mais que as palavras são as ações", completou Luis Videgaray. 

Apesar do clima pesado, os dois lados têm interesse em chegar a um acordo. A Casa Branca de Donald Trump precisa pelo menos tentar manter uma boa relação com o vizinho. E o México está preocupado com a economia.

Mexicanos que trabalham nos Estados Unidos enviam para casa, todos os anos, cerca de US$ 25 bilhões. Com o cerco dos americanos se apertando em volta dos imigrantes irregulares, essa fonte pode secar.

Fonte: Globo