Publicado em 3/03/2017 as 1:00pm

Chefes de polícia de MA pede ao Senado que evitem políticas anti-imigrantes

Chefes de polícia de MA pede ao Senado que evitem políticas anti-imigrantes

Um total de 63 chefes de polícia e xerifes de todos os Estados Unidos que assinaram a carta que foi endereçada ao Senado do país. Eles “implorando com o governo evite tomar medidas que possam prejudicar a confiança da comunidade quando se trata da aplicação das leis de imigração”.

As autoridades disseram que não querem que policiais locais sejam usados ??como oficiais de imigração. Entre os oficiais que assinaram a carta estão o chefe da polícia de Boston, William Evans, o chefe da polícia de Chelsea, Brian Kyes, e o xerife do condado de Middlesex, Peter Koutoujian.

"Nossa principal preocupação e missão é a segurança pública e estamos dedicados a isso", disse Koutoujian.

A carta afirma, "manter o controle local tem sido uma benéfica para a aplicação da lei por décadas, tendo o governo federal obrigado o Estado na aplicação da lei local para realizar novas tarefas e, por vezes, isso gera problemas que vão prejudicar as cidades”.

A execução das leis de Imigração muitos funcionários dizem que devem priorizar criminosos e não residentes pacíficos. Mas nem todos os agentes da lei concordam. A preocupação é que entre muitos policiais, existem aqueles que passarão por cima das regras e poderão entregar trabalhadores imigrantes sem registros criminais para os órgãos de imigração. “Com isso, a confiança da comunidade na polícia local será abalada e isso prejudica até em investigações de crimes”, disse um dos chefes de polícia.

"Isso me faz coçar a cabeça, pois é algo que desafia completamente o juramento que todos assumimos", disse o xerife do Condado de Bristol, Tom Hodgson. Um apoiante do presidente Donald Trump e de suas posições sobre a imigração, ele diz que não apoia a carta enviada ao Congresso. "Nós somos um país de leis e não podemos criar uma classe especial de pessoas que violam nossas leis, desrespeitar as leis e simplesmente dizermos que isso não importa", afirmou.

Fonte: Brazilian Times