Publicado em 10/03/2017 as 8:00am

Justiça dos EUA indicia mais um brasileiro no esquema do "colchão milionário"

Justiça dos EUA indicia mais um brasileiro no esquema do "colchão milionário"

Um segundo brasileiro é acusado de conspirar para lavar dinheiro ligado a uma grande fraude nos Estados Unidos, em um caso que levou à descoberta de US $ 17 milhões em espécie escondido no interior de um colchão, em um apartamento em Marlborough (Massachusetts).

Segundo as informações divulgadas pelas autoridades, Leonardo Casula Francisco foi indiciado nesta terça-feira (07/03) em um processo que também envolve outro brasileiro, Cleber Rene Rizerio Rocha, que foi preso em Janeiro.

No momento, Casula está no Brasil, Segundo relatou a Procuradoria-Geral dos Estados Unidos. Ainda não se sabe quem será p seu advogado. Já o defensor de Rocha afirma que seu cliente alegará inocência.

Este processo decorre de uma investigação sobre a TelexFree, que foi fundado pelo norte-americano James Merrill e o brasileiro Carlos Wanzeler, que é tio de Casula. A empresa prejudicou milhares de pessoas em todo o mundo, movimentando quase dois bilhões de dólares.

Merrill, que foi preso em maio de 2014, teve a sua audiência de sentença programada para dia 22 de março, depois de se declarar culpado por conspiração e acusações de fraude, em outubro.

Wanzeler fugiu para o Brasil em 2014 e não pôde ser extraditado. Em fevereiro, promotores federais do Estado do Espírito Santo denunciaram 22 pessoas por envolvimento com a TelexFree, incluindo Wanzeler e Casula.

De acordo com a audiência de terça-feira, Casula, em meados de 2015, pediu a uma testemunha ajudar a transferir o dinheiro ganho com a fraude que estava escondido em área de Boston. O objetivo era encontrar um jeito de enviar tudo para o Brasil.

Ficou certo de que alguém seria enviado aos Estados Unidos para entregar o dinheiro à testemunha, que o enviaria para contas em Hong Kong, de onde seria transferido para o Brasil, disseram os promotores.

Em dezembro, Casula enviou Rocha aos Estados Unidos para entregar dinheiro à testemunha, segundo relata a acusação.

Os promotores disseram que depois de uma reunião em 4 de janeiro, num estacionamento onde Rocha entregou à testemunha $2,2 milhões de dólares em uma mala, agentes federais o seguiram até um complexo de apartamentos em Westborough, Massachusetts. Eles prenderam Rocha após encontrar US $ 17 milhões escondidos em um colchão, disseram os promotores.

Fonte: Brazilian Times