Publicado em 21/03/2017 as 8:00pm

Brasileiro é acusado de dar calote em MA e fugir para FL

Golpes em grupos de consórcios, empréstimos e investimento em restaurantes que nunca abriram, essas são as acusações contra Jackson Senna.

“Trambiqueiro esperto, deu calote em várias pessoas e fugiu”, essa é a descrição que denunciantes fizeram ao Brazilian Times ao falar sobre o mineiro de Ipatinga Jackson Senna, que tem cerca de 40 anos de idade, morador da cidade de Everett (Massachusetts).

De acordo com relatos da brasileira Neuza Do Carmo, também residente em Everett, Jackson se aproximou de um grupo de amigos que fazem parte de um consórcio, ganhou a confiança dessas pessoas para assim também fazer parte do grupo, participando do consórcio. “Ele foi apresentado por um colega em comum. Quando íamos começar um novo grupo, fizemos o sorteio e desde o início ele avisou que se ele fosse contemplado com o valor só no final, ia desistir, mas nem desconfiamos que ele daria o calote”, conta Neusa que informou que para sorte dele e azar do restante do grupo, ele foi sorteado para ser contemplado no terceiro mês. “O valor do consórcio por mês era de mil dólares por pessoa, sendo 19 participantes. No primeiro e no segundo mês ele pagou certinho, quando foi no terceiro mês, ele foi contemplado, pegou os $19 mil e sumiu”, relata.

De acordo com os relatos de Neuza, ao Brazilian Times, ela e os demais participantes do consórcio tentaram contato com Jackson após ele buscar os $19 mil, mas ele não atendeu mais aos telefonemas e nem foi encontrado no endereço em que residia em Everett. Foi então que ela decidiu buscar informações sobre o paradeiro do mineiro através das redes sociais, fazendo diversas postagens em comunidades brasileiras no Facebook e grupos no WhatsApp. “A partir disso descobri que ele deu o golpe em outros grupos de consórcio. Na mesma semana ele resgatou um outro consórcio no valor de $9 mil, pegou $2.600 emprestado com uma vizinha e não devolveu, deu cheques de terceiros sem fundo como garantia de um empréstimo de $10 mil. Ao tentar saber notícias dele descobri também que ele deu o calote em $34 mil em um brasileiro, dizendo que seria sócio em um restaurante que nunca abriu”, denuncia Neuza.

Neuza conta que Jackson chegou a mencionar que parte do dinheiro que iria resgatar com o consórcio seria usado para tirar da cadeia uma suposta namorada que entrou nos Estados Unidos pelo México e teria sido presa pela imigração. Certa vez, ele teria comentado que também fazia o trabalho como coiote. “Uma vez, ao saber que uma pessoa viria do Brasil para os EUA pela fronteira, ele chegou a oferecer os serviços dele como “coiote”, conta.

No Facebook existem outras denúncias contra Jackson, como a de uma outra brasileira que afirma ter sido lesada em $2,600.oo. “Amigos venho através desse post pedir a ajuda de vocês para que compartilhem esse post. Esse caloteiro fugiu de Massachusetts me devendo $2,600.00. Infelizmente descobri que não sou a única que ele deu prejuízo, vamos compartilhar para que ele não faça mais vítimas. Fiquei sabendo que ele fugiu para a Florida. Desde já agradeço, o nome do sem vergonha é Jackson Senna”, denuncia.

Os responsáveis pelo grupo de consórcio de Everett continuam as investigações para saber informações do paradeiro do mineiro. “Conversamos com um policial brasileiro da Florida que irá nos ajudar a tentar saber se as informações de que ele esta por lá são verdadeiras. Não queremos que outras pessoas sejam lesadas por ele.”

Fonte: Brazilian Times