Publicado em 24/03/2017 as 10:27am

Condenada por tráfico de pessoas, brasileira é deportada dos EUA

Stefania Joaquina foi sentenciada por forçar suas vítimas a praticarem sexo em troca de dinheiro

Da redação

Uma brasileira que foi condenada no Brasil por tráfico humano para fins de exploração sexual foi presa no estado de Maryland em fevereiro e deportada na terça (21/03). De acordo com os registros, Stefania Joaquina Campos Rezende, 39 anos, era procurada pela justiça brasileira.

Ela foi presa no dia 14 de fevereiro durante uma operação do Immigration and Customs Enforcement (ICE) em Maryland. A brasileira era considerada pela justiça dos EUA como uma imigrante fugitiva depois que um juiz de imigração emitiu uma ordem final de deportação em 2006.

A brasileira chegou ao aeroporto internacional de Belo Horizonte e foi entregue às autoridades locais para cumprir a sentença pela condenação de tráfico de seres humanos.

"O ICE está empenhado em perseguir, prender e remover imigrantes criminosos que tentam usar os Estados Unidos como um refúgio para fugir de sentenças de prisão em seus países de origem", disse a diretora do Escritório de Enforcement and Removal Operations (ERRO) em Baltimore, Dorothy Herrera-Niles. "A remoção de um traficante de pessoas já condenado manterá nossa comunidade segura e permitirá que as vítimas exploradas no Brasil recebam justiça", continuou.

Nos EUA, a brasileira foi detida e levada para cadeia do Condado de Worcester, localizada em Snow Hill, Maryland, onde ficou sob a custódia do ICE desde fevereiro. Além de sua condenação no Brasil, ela foi recentemente condenada por acusações de delitos graves envolvendo tráfico de drogas nos Estados Unidos.

Desde o dia 1º de outubro de 2009, o programa ERO removeu dos EUA mais de 1.700 imigrantes que eram procurados em seus países nativos por crimes graves, incluindo sequestro, estupro e assassinato. No ano fiscal de 2016, o ICE realizou 240.255 deportações em todo o país. Noventa e dois por cento das pessoas deportadas haviam sido previamente condenadas por uma infracção penal.

O ERO trabalha com o Escritório de Operações Internacionais do ICE, Homeland Security Investigations (HSI), escritórios consulares estrangeiros nos Estados Unidos e a Interpol para identificar imigrantes fugitivos que estão ilegalmente nos Estados Unidos.

Fonte: Brazilian Times