Publicado em 24/03/2017 as 11:05am

Sócio da TelexFree é condenado a seis anos

A pena de prisão foi menor do que a sentença de dez anos que os Promotores federais pediram.

Da redação

James M.Merrill foi sentenciado, nesta quarta-feira (22/03), a cumprir seis anos em uma prisão federal pelo seu envolvimento na TelexFree, um dos maiores esquemas mundiais de pirâmides financeiras. Com sede em Marlborough (Massachsuetts), ela vitimou 1.8 milhões de pessoas que perderam suas economias, casas e até mesmo casamentos.

O juiz Timothy S. Hillman também determinou que Merrill, cumpra três anos de liberdade condicional e restitua às vítimas do esquema.

A pena de prisão foi menor do que a sentença de dez anos que os Promotores federais pediram. O Procurado-adjunto dos EUA, Andrew E. Lelling, descreveu a TelexFree como o maior esquema de pirâmide que o Departamento de Justiça já processou.

O advogado de defesa, Robert M. Goldstein, pediu uma pena de prisão de 12 ou 18 meses. Ele apresentou dezenas de cartas de amigos e parentes do réu, pedindo ao tribunal que considerasse o caráter de Merrill na sentença. Alguns descreviam o acusado, que antigamente era dono de uma pequena empresa de limpeza, como gentil, altruísta, religioso, generoso e profundamente comprometido com sua família. Outros disseram que Merrill tinha sido ingênuo e não poderia ter planejado um esquema tão complicado.

Merrill, usando terno cinza, ouviu atentamente a sentença durante a audiência que durou quase três horas e contou com o testemunho de pessoas que relataram que TelexFree lhes custou milhares de dólares. Alguns disseram que tinham vergonha de trazer seus entes queridos para o esquema.

Com a esposa, dois de seus três filhos, um irmão e outros simpatizantes assistindo à audiência, Merrill pediu desculpas às vítimas e perdão pelo que fez. “Me desculpem. Lamento não ter sido capaz de consertar ou controlar um negócio que pretendia ser uma bênção”, disse.

Após a audiência, Merrill consolou sua esposa e deixou o tribunal sem falar com ninguém.

A TelexFree foi uma empresa que entrou em colapso no início de 2014, em meio a investigações estaduais e federais. Embora a empresa vendia serviços de telefonia via internet, quase todas as suas receitas vieram de pessoas que pagaram para promovê-la, colocando anúncios repetitivos on-line. Em troca, a TelexFree prometia pagar aos promotores, mesmo que eles não vendessem nada.

Neste esquema, Merrill era sócio do brasileiro Carlos N. Wanzeler, que fugiu para o Brasil em 2014 assim que o caso estourou.

Os promotores disseram que a TelexFree atraiu participantes de mais de 100 países e arrecadou mais de US$ 3 bilhões. O governo recuperou cerca de US$ 150 milhões em dinheiro, incluindo quase US$ 20 milhões encontrados recentemente escondido em um colchão, no apartamento deum brasileiro.

O governo também apreendeu na Flórida alguns imóveis, carros luxuosos, barcos e espera vendê-los. O valor dos bens apreendidos for orçado em US$8 milhões e o dinheiro será usado para ressarcir as vítimas.

Fonte: Brazilian Times