Publicado em 21/04/2017 as 3:00pm

Brasileiros são condenados a quatro anos de prisão por fraude em cartões de crédito

O crime aconteceu em outubro de 2016 e a sentença foi promulgada esta semana

Uma dupla de brasileiros chegou aos Estados Unidos, foram flagrados com os bolsos recheados de cartões de crédito falsificados. José Pinto De Oliveira Filho, 50, e Glênnio Gomes De Andrade, 28, chegaram ao país com Visto de Turista, desembarcaram em Miami (Flórida) e cruzaram o país comprando produtos eletrônicos.

A maioria dos produtos eram câmeras GoPro que foram compradas em lojas varejistas. Eles também alugaram carros e compraram passagens aéreas e para todas as transações, utilizaram cartões de crédito falsificados.

A rota feita pela dupla passou por Indiana e Michigan e em seguida Idaho, antes de fechar as compras no Colorado.

Depois de se divertirem em uma área metropolitana de Denver, Filho e Andrade seguiram para o Vail Valley, em outubro de 2016. Eles pararam para fazer algumas compras e em seguida seguiram para o oeste.

A dupla chegou até Avon, quando a polícia efetuou a prisão do lado de foram de uma loja de artigos esportivos. Os dois tinham estacionado o carro alugado e estavam indo para dentro quando foram presos.

Junto com os cartões de crédito, também foram apreendidos identificação falsificada e um carro cheio de eletrônicos e roupas, todos comprados com cartões de crédito falsos. O carro em que todas as coisas foram encontradas, foi alugado com um cartão falsificado.

Nesta semana, os brasileiros se declararam culpados de vários de crimes e foram condenados a quatro anos de prisão. Para enviá-los à prisão, os tribunais locais tiveram de arrumar um intérprete para falar em português com eles.

A advogada distrital, Courtney Gilbert, disse que os brasileiros são parte de uma rede criminosa muito maior. Eles terão uma audiência em agosto para reconsiderar suas sentenças. O juiz Russell Granger, do tribunal distrital, disse que muda sua sentença uma vez por ano, mas nunca concede simplesmente porque o condenado não gosta de estar na prisão.

"Esse tipo de roubo de identidade é um problema sério neste país", disse Granger.

Filho já serviu 191 dias na cadeia, e devolveu o dinheiro e equipamento que roubou através dos cartões falsificados.

Fonte: Brazilian Times