Publicado em 7/05/2017 as 10:20pm

Mineiro de Guanhães é encontrado morto na fronteira

Corpo do mineiro Fabrício da Silva Santos foi encontrado boiando no Rio Bravo, na região de Tamaulipas

Um mineiro de Guanhães, na região do Vale do Rio Doce, em Minas Gerais, identificado como Fabrício da Silva Santos, foi encontrado morto na fronteira entre o México e os Estados Unidos. A informação, divulgada por um jornal mexicano.

O corpo do jovem foi localizado no rio Bravo, no estado de Tamaulipas, no México, que liga o país ao Texas, nos Estados Unidos. Segundo informações locais, o rapaz carregava consigo apenas o passaporte.

Uma amiga de Fabrício, que pediu anonimato, disse que a esposa dele e o filho, de 1 ano, já estariam em território norte-americano. O rapaz, por sua vez, cerca de três meses atrás, teria sido pego por autoridades mexicanas e, desde então, estaria preso no país. Há poucos dias, porém, ele teria sido informado da deportação para o Brasil.

De acordo com o jornal mexicano Reporte Tamaulipas, o mineiro estava com passaporte, o que possibilitou sua identificação. Fabrício vestia jeans, camisa verde e branca e tênis marrom, “além de ter uma tatuagem de um tigre no braço direito”. O Estado de Minas apurou em Guanhães que o rapaz, trabalhador de uma empresa de logística na cidade, já havia sido deportado dos Estados Unidos. Ele fazia a terceira tentativa de entrar no país. Antes, teria tentado a viagem por meios legais, mas não conseguiu visto.

A mulher de Fabrício trabalhava em uma agência bancária de Gunhães, mas ainda durante a licença-maternidade pediu demissão do emprego para providenciar a viagem para a América do Norte, o que fez assim que o bebê nasceu.

Amigos e parentes do mineiro criaram uma campanha para tentar arrecadar dinheiro para fazer o translado do corpo de Fabrício para o Brasil. Até a manhã deste domingo, a página já tinha arrecadado mais de US$ 11 mil.

Em nota, o Itamaraty informa que o Consulado-Geral do Brasil no México acompanha o assunto e já está em contato com familiares de Fabrício. Em relação ao translado do corpo, o Itamaraty informa ainda que, em respeito à privacidade do brasileiro e sua família, e nos termos do artigo 55 do Decreto 7.724, não está autorizado a fornecer maiores informações sobre o caso.

Esta é a segunda morte de brasileiro em tentativa de entrar ilegalmente nos EUA na era Trump, divulgada desde a posse de Donald Trump. O presidente norte-americano prometeu desde a campanha eleitoral endurecer as regras para impedir a entrada e a permanência de imigrantes latinos em situação irregular no país.

Em meados de março, outro brasileiro, Júlio Barcellos, de 35, morador de Roraima, morreu afogado no Rio Grande, em Nova Loreda, ao tentar atravessar a fronteira do México com os Estados Unidos.  Fabrício também é o segundo morador do Leste de Minas que morreu ao tentar a travessia para os EUA em menos de um ano. Em 21 de dezembro ocorreu a morte de Leandro Camilo de Oliveira, de 34, que foi encontrado desidratado em um deserto do Texas. Ele chegou a ser levado para um hospital, mas não resistiu.

Fonte: Brazilian Times