Publicado em 15/05/2017 as 12:00pm

Estudantes do Paraná são classificados para competição internacional da Nasa

Estudantes do Paraná são classificados para competição internacional da Nasa

Estudantes paranaenses das redes de ensino estadual, municipal e particular estão entre os finalistas internacionais da competição tecnológica Space Apps Challenge, também conhecido como Hackathon, promovido pela agência espacial dos Estados Unidos, a Nasa. Duas equipes do Paraná concorrem, em diferentes categorias, com competidores de 69 paises com projetos de softwares capazes de solucionar problemas propostos pelo órgão.

Os melhores projetos serão assessorados por pesquisadores, além ganhar de uma viagem aos Estados Unidos para conhecer as instalações da agência. No Brasil, o desafio foi realizado em quatro estados. No Paraná, a competição envolveu 125 participantes, divididos em 22 equipes.

Os campeões regionais terão os trabalhos avaliados por uma comissão internacional, já as equipes selecionadas por escolha popular nacional vão concorrer na votação mundial. A equipe mais votada também terá o trabalho acompanhado.

O projeto desenvolvido pelos estudantes Raul Guedes Carlessi, Marquistei Medeiros, Marcos Mateus Garrido de Mello, Daniel Marques e Paloma Lecheta ficou em primeiro lugar entre os competidores paranaenses. O dispositivo desenvolvido pela equipe utiliza dados captados por um satélite da agência americana que transmite as coordenadas de focos de incêndios e queimadas aos aparelhos de radiodifusão.

“Quando essas informações chegam ao nosso banco de dados, o rádio converte as coordenadas em sonoras e assim fica fácil identificar onde está acontecendo o incêndio”, explicou Raul Guedes Carlessi, 14 anos, do 9° ano do ensino fundamental do Colégio Estadual Arlindo Carvalho de Amorim, em Curitiba.

A equipe escolheu o rádio por ser um aparelho de tecnologia acessível. “Normalmente, nesses lugares em que há muitos casos de queimadas e também de incêndios não há acesso à internet, então resolvemos utilizar um aparelho que é comum na casa dos brasileiros”, contou Raul.

O trabalho foi desenvolvido em dois dias de competição. Segundo Raul, a experiência permitiu conhecer e desenvolver conhecimentos na área da programação e conceitos básicos de eletrônicas. “Tudo que envolve tecnologia sempre me chamou a atenção e participar de uma competição da NASA foi uma motivação a mais”, disse.

Fonte: Brazilian Times