Publicado em 17/05/2017 as 11:30am

Graduado Faixa Preta, Alex Marshall é destaque na BMAC

Graduado Faixa Preta, Alex Marshall é destaque na BMAC

Com 43 anos de idade, o gaúcho de Porto Alegre Alex Marshall, celebra mais uma conquista em sua cidade. Ele foi graduado no dia 13 como faixa preta de Jiu-Jitsu em uma cerimônia realizada na Brazilian Martial Arts Center (BMAC), em Somerville (Massachusetts).

Com 22 anos morando nos Estados Unidos, ele reside na cidade de Saugus (MA) e trabalha como Mortgage Broker Manager e professor de Jiu-Jitsu. Em uma entrevista para o Brazilian Times, ele conta como começou seu envolvimento nas artes marciais. "Meu pai é professor de boxe e faixa preta de judô. Ele me iniciou nesta arte quando eu tinha apenas quatro anos de idade, por problemas de saúde. Eu tinha asma", fala.

Alex praticou judô até o seu alistamento no exército Brasileiro, aos 18 anos, chegando à faixa marron. "Quando dei baixa, me mudei para os Estados Unidos e parei de treinar por alguns anos. Este é um dos meus maiores arrependimentos", afirma.

Durante o tempo em que ficou longe das competições, ele praticou boxe, muay thai, capoeira, aikido, mas nunca levou a sério. "Em 2000 eu conheci o professor Aldo Batista que dava aula de Jiu-jitsu em Lowell (MA) e Nashua (New Hampshire), onde eu residia na época. Comecei a treinar Jiu-jitsu com ele e me apaixonei pelo esporte", continua.

Alex foi aluno do Aldo até 2007, quando foi graduado faixa roxa. E seguida, ele se mudou para Boston (MA) e parou de treinar devido à distância. Isso fez com que ele ficasse três anos longe dos tatames e em 2010 conheceu o mestre Marcelo Siqueira e voltou a treinar na BMAC, onde está desde então.

Primeiro ele entrou como aluno e logo em seguida começou a ajudar nas aulas como instrutor. "Cresci muito como atleta na BMAC e em 2013 o professor Marcelo Siqueira me graduou faixa marrom. Continuei treinando e auxiliando nas aulas e no dia 13 de maio fui promovido a faixa preta de Jiu-Jitsu", fala.

Para Alex, a arte marcial é uma das coisas mais importantes na formação de uma pessoa, pois ensina disciplina, caráter, respeito, controle e confiança. "Além de aprender a lutar, pode ser uma excelente profissão se quiser seguir carreira. Um atleta de Jiu-jitsu treina em média 12 anos para alcançar a faixa preta, quase que o mesmo que um médico ou advogado. É um feito muito difícil e poucos alcançam o nível de faixa preta. De cada mil alunos que começam a treinar, um se torna faixa preta", explica.

Relembrando a sua história até chegar à faixa preta Alex cita alguns momentos importantes em sua vida. No ano passado ele ficou em terceiro lugar no Pan americano no Gi e foi campeão do Boston Summer Open. Esse ano ele disputou o Boston Spring Open ficou em segundo lugar.

Embora ele goste e compete pelo menos duas ou três vezes por ano, Alex não é um competidor. "Minha paixão é ensinar. Amo fazer parte dessa família maravilhosa que é a BMAC. Sou responsável pelo time infantil e fazer parte da vida dos meus atletas mirins é uma das coisas mais importantes pra mim", disse.

Alex fala que as mães procuram a BMAC quando seus filhos estão com problema na escola e a habilidade de poder conversar com eles e influenciá-los a tomar as decisões corretas não tem preço. O amor e o respeito que tenho por meus alunos não tem descrição", acrescenta.

Em relação a projetos para o futuro, ele explica que a ideia é ampliar o time e a escola, levando a BMAC ao título de maior escola da New England, em todos os aspectos. "Estamos com projetos bem legais e logo estaremos com algumas novidades para a comunidade", finaliza.

Fonte: Brazilian Times