Publicado em 9/06/2017 as 2:00pm

Manifestantes protestam contra Temer em frente ao Consulado Brasileiro de Boston

Grupo formado por brasileiros, norte-americanos, porto-riquenhos.

Manifestantes protestam contra Temer em frente ao Consulado Brasileiro de Boston Amigos do MST apoiam movimentos sociais no Brasil

Um grupo formado por brasileiros, norte-americanos, porto-riquenhos e outras nacionalidades faz parte dos “Amigos do MST” (Movimento dos Trabalhadores sem Terra), se reuniram na manhã desta quinta-feira (8) em frente ao Consulado Brasileiro de Boston, na Purchase Street, com faixas e pedindo a saída do presidente Michel Temer.

Em solidariedade às famílias das vítimas da chacina de Belém do Pará, em maio, eles colocaram cruzes no chão com os nomes das dez pessoas, que faziam parte do MST e foram assassinadas na fazenda Santa Lúcia, localizada no município de Pau D’arco, no sudeste do Pará, durante ação das Polícias Civil e Militar.

Durante o ato, uma viatura da polícia de Boston estava próxima ao local onde os manifestantes estavam concentrados para garantir a segurança. Eles distribuíram folhetos e muitas pessoas que passavam pelo local se uniram ao movimento.

Segundo a ativista porto-riquenha Jovanna Garcia Soto, que faz parte dos Amigos do MST, “eles se reuniram em solidariedade e para denunciar os ataques, assassinatos e descriminação contra os MST e também de encontro a outros movimentos sociais que lutam pela defesa da terra, seus direitos e a democracia no Brasil. “Depois do golpe, todos aqueles direitos que foram ganhos com muita luta foram todos apagados. Então aqui nos EUA, os Amigos do MST, temos a responsabilidade de falar da situação que está acontecendo no Brasil, da destruição da democracia. Nós estamos aqui em solidariedade ao MST e aos movimentos sociais que estão no Brasil lutando e gritando fora Temer e também lutando para que tenham eleições diretas já”.

De acordo com a Comissão Pastoral da Terra em 2016, 61 trabalhadores do campo foram assassinados por lutarem pela terra. Este ano em 2017, 36 trabalhadores do campo alguns que fazem parte do MST já foram assassinados no Brasil. “Estamos falando em mais da metade de 2016, que foi um dos piores anos em assassinatos da história do Brasil. Isso é muito importante porque temos que pensar que não vai parar agora. E uma luta a longo prazo e nós temos que unir forças para acabar com isto”, enfatiza Jeovanna.

Manifestantes em frente ao consulado brasileiro de Boston

 

Fonte: Redação - Brazilian Times