Publicado em 14/07/2017 as 12:00pm

Jovem com síndrome rara precisa de ajuda para retornar do Brasil para os EUA

Ao passar as férias no Brasil, Kaitlyn descobriu ser portadora de um rara síndrome. Paralisada, ela precisa de um avião especial para voltar para casa.

Jovem com síndrome rara precisa de ajuda para retornar do Brasil para os EUA De férias no Brasil Kaitlyn Louzada descobriu ser portadora da rara Síndrome Guillan Barre

Brilhante e amorosa, assim é conhecida a jovem Kaitlyn Louzada, que acaba de completar 14 anos e é moradora da cidade de Peabody (Massachusetts). No dia 26 Kaitlyn viajou para o Brasil para passar férias. Filha do mineiro Edmilson Louzada e da capixaba Kelly Louzada, a jovem estudante viajou feliz e saudável.

Ao chegar no Brasil Kaitlyn levou um tombo no ônibus que transporta os passageiros no aeroporto para buscarem suas bagagens. O que a princípio parecia apenas um simples incidente corriqueiro, já eram sinais da rara síndrome que seria descoberta após alguns dias.

Em entrevista ao Brazilian Times, a mãe de Kaitlyn contou que ao estranhar o fato de a filha estar arrastando a perna, o pai da jovem a levou em um hospital para que fosse tirado um raio x. Kaitlyn então foi levada a um especialista que ao constatar a possibilidade da gravidade do diagnóstico da jovem, orientou o pai. “Automaticamente, sem exames, ele já disse para o meu esposo correr e levá-la para a cidade que ela estava com esta doença chamada Síndrome Guillan Barre”, relata Kelly.

A síndrome de Guillain-Barre é uma doença rara em que seu sistema imune ataca seu sistema nervoso periférico. Os sintomas podem fazer com que a pessoa fique quase totalmente paralisada. A desordem pode ser fatal devido ao fato do risco de interferir na respiração, na pressão e na frequência cardíaca.

Internada no hospital infantil de Vitória (Espírito Santo), onde a mãe relata que a filha está sendo muito bem atendida, Kaitlyn passou por diversos exames. Após três dias o diagnóstico da rara síndrome de Guillan Barre foi confirmado. Paralisada do pescoço para baixo, a adolescente chegou ter uma convulsão. “Nesta segunda o médico conversou comigo por celular e me informou que a parte crítica passou porém não e viável trazê-la de volta para os Estados Unidos nesse momento, pois seria arriscado”, conta a mãe.

Com fé a mãe conta que a filha está passando por tratamento e que o próximo passo é a jovem receber alta do hospital. “Em breve Kaitlyn irá para casa e fará fisioterapia particular e voltará assim que não correr riscos. Para trazê-la necessitamos de acomodações com UTI, pois é arriscado e ela ainda continua paralisada”.

Como o seguro de Kaitlyn não cobre seu transporte do Brasil para os EUA e ela precisa voltar para casa em um avião especial, que tenha todo o equipamento necessário para apoiá-la, uma conta no site Go Fund Me foi criada com a finalidade de arrecadar o valor necessário para que assim que tiver condições físicas, Kaitlyn possa voltar para Massachusetts. Uma cotação foi feita com a empresa Angel Med Flight que informou que o voo com o transporte que a jovem irá precisar custa entre US $80,000 a $100,000.

“Assim que ela chegar irá para o Hospital infantil de Boston e depois para uma clínica de reabilitação e eu creio que com Deus, sua força de vontade e , em 3 meses ela estará andando!”, finaliza a mãe.

Para ajudar na campanha, acesse o link: gofundme.com/help-kaitlyn-fight-guillainbarre e faça a sua doação.

Fonte: Redação - Brazilian Times