Publicado em 9/08/2017 as 11:00am

ALERTA: ICE usa filhos como “iscas” para prender pais imigrantes

Ativistas qualificam a atitude dos agentes como desumana e desprezível. O imigrante está em instalações federais de Massachusetts.

ALERTA: ICE usa filhos como “iscas” para prender pais imigrantes Recentes ações do ICE são chamadas de desprezíveis e desumanas.

Na campanha agressiva e muitas vezes desumana para encontrar, prender e deportar imigrantes indocumentados, a mais recente tática dos agentes federais do Governo Trump, é a de usar menores como iscas para prender os pais indocumentados.
Este ato vem sendo bastante criticado por ativistas que qualificam as ações como “desprezível”.

Uma história assim aconteceu com Mynor Espizona, um pai imigrante da Guatemala, que vive em West Haven (Connecticut). Ele foi preso por agentes do Immigration and Customs Enforcement (ICE) após ser convidado para ir apo escritório assinar alguns documentos sobre o caso de seu filho, de nove anos de idade, que chegou aos EUA desacompanhado.

Espinoza, 31, não desconfiou de nada e foi ao local indicado pensando que estaria assinando documentos para dar um futuro melhor para o seu filho. Mas o que realmente aconteceu foi que se tratava de uma armadilha montada pelos agentes para o prendê-lo.
Ele foi preso no dia 5 de junho e foi levado para instalações federais em Massachusetts, conforme relatos do jornal Hartford Courant.

Yazmin Rodríguez, advogado de Espinoza, disse que o filho do imigrante foi preso há cerca de um ano atrás, quando tentou entrar Estados Unidos, sozinho e foi entregue para o pai, como tem acontecido com dezenas de milhares de crianças que entraram no país da mesma maneira.

Rodriguez disse agentes do ICE pediram para que Espinosa fosse ao escritório da agência federal em Hartford, para assinar alguns documentos relacionados a seu filho. “Mas ao invés disso ele foi imediatamente preso. Uma prática desprezível e desumana", disse.

O advogado ressaltou que este tipo de ação tem sido comum e que tem tomado conhecido de práticas semelhantes sendo aplicadas nos últimos dois meses. "Esta nova prática de atrair os pais com o único propósito de separá-los de seus filhos é a prática mais desprezível e desumana que temos visto", acrescentou.

De acordo com as informações, Espinoza tentou entrar ilegalmente nos EUA pela primeira vez em 2009. Ele foi preso na fronteira e voltou ao seu país natal, mas no final do mesmo ano, conseguiu entrar com sua esposa, Dulce.

Desde então, Espinoza tem trabalhado como pedreiro e vivendo em West Haven. Ele e sua esposa tiveram mais três filhos, que são cidadãos norte-americanos.

O imigrante não tem antecedentes criminais e, segundo Rodriguez, na Guatemala ele enfrenta um "perigo iminente" se for forçado a regressar ao seu país natal.

Rodriguez relata que houve pelo menos três casos semelhantes em Connecticut e em todo o país.

"Este é a mais recente tática", disse Carlos Moreno, diretor interino do CT Working Families Party, sobre a política de imigração agressiva implementada pela administração Trump.

O ICE tem sido fortemente criticado nos últimos meses por deter imigrantes indocumentados que aparecem em tribunais estaduais, mesmo para responder por pequenas infrações ou solicitar ordens de restrição em casos de maus-tratos.

Fonte: Redação - Brazilian Times