Publicado em 19/08/2017 as 6:00pm

Cabelo da esposa “delata” mentira de brasileiro para a polícia em Milford

Um homem que mora em Milford (Massachusetts) disse à polícia que era a sua esposa que estava dirigindo quando o veículo deles que acertou um lavador de carros (carwash) na Rota 9.

Cabelo da esposa “delata” mentira de brasileiro para a polícia em Milford Célio Fernandes mentiu duas vezes para a polícia

Um homem que mora em Milford (Massachusetts) disse à polícia que era a sua esposa que estava dirigindo quando o veículo deles que acertou um lavador de carros (carwash) na Rota 9. O acidente aconteceu na segunda-feira (14), mas os cabelos longos da mulher desmascararam a mentira, de acordo com relatórios policiais.

A polícia relatou que a história contada é mentirosa e que era o homem, identificado como o brasileiro Célio Fernandes, 39, que estava dirigindo. De acordo com uma afirmação, na terça-feira (15) da porta-voz do Departamento de Polícia da cidade, Patricia Grigas, os investigadores chegaram a esta conclusão depois de descobrirem cabelos da mulher preso no para-brisa do lado do passageiro. “Logo, ela não poderia estar no banco do motorista”, disse.

Os policiais foram à Clean Machine, na 1181 Worcester Road, por volta das 9:30 p.m., onde encontraram Fernandes, sua esposa e o filho sentados no chão. O veículo deles, um Jeep, entrou no estabelecimento, onde havia bombas combustíveis.

O brasileiro disse que sua esposa estava dirigindo o veículo, mas a mulher negou a afirmação do marido. "Houve dois impactos no para-brisa", disse Grigas. "Eles descobriram quem estava dirigindo devido aos cabelos que encontraram no vidro quebrado ".

A polícia também confirmou a mentira após uma averiguação nas imagens das câmeras de segurança do local, de acordo com o Promotor Público Dylan Krasinski, durante a audiência de julgamento que aconteceu no Tribunal Distrital de Framingham, na terça-feira. "O vídeo mostrou que a mulher sai da porta do passageiro e o réu saiu da porta do lado do motorista", disse.

Fernandes admitiu à polícia que ele mentiu porque tinha medo porque estava dirigindo sem carteira de motorista.

Quando a polícia realizou uma vistoria no carro, foi encontrada uma lata de cerveja que estava aberta e Fernandes cheirava a álcool. No entanto, ele passou pelo teste de bafómetro, de acordo com o Promotor.

Outra mentira contada pelo brasileiro foi durante o interrogatório, ainda no local. Fernandes forneceu à polícia um nome falso. "Eles conseguiram identificá-lo através de suas impressões digitais e descobriram que o homem tinha vários mandados emitidos contra ele", disse Krasinski.

A polícia prendeu Fernandes, que mora na 17 Pond Street, e acusou-o de dirigir sem licença, mentir para um policial, possuir um recipiente aberto contendo bebida alcóolica enquanto dirigia, dirigir perigosamente e fornecer à polícia um nome falso. Eles também o citaram por uma violação de faixa no trânsito.

Fernandes também tinha um mandado emitido pelo Tribunal Distrital de Milford, quando era menor de idade e foi pego com bebida alcóolica, e Tribunal Distrital de Westborough por posse de substancias da Classe B e maconha. Também havia um mandado do Tribunal Distrital de Concord acusando-o de possuir maconha e dirigir sem carteira de motorista. O mandado mais recente foi emitido em 1995.

Krasinski pediu a juíza Jennifer Stark para manter Fernandes preso mediante o pagamento de uma fiança no valor de US$2.500, citando o número de mandados contra o réu e o fato de ele mentiu para a polícia.

O advogado de Fernandes, Trevor Clement, argumentou que seu cliente deveria ser liberado. "Ele não teve problemas em 22 anos", disse Clement. "Ele não foi preso, nem sequer foi preso por excesso de velocidade".

Stark liberou Fernandes sem fiança, ordenando-lhe que comparecesse aos vários tribunais onde há mandatos. O brasileiro garantiu cumprira ordem nos próximos três dias.

Fernandes vai retornar ao tribunal de Framingham, em 24 de setembro, para uma conferência pré-julgamento.

Fonte: Redação - Brazilian Times