Publicado em 1/09/2017 as 2:00pm

Imigrantes temem o fim do DACA

“Não sei o que os beneficiados por este programa farão”, disse Alice de Souza, imigrante brasileira que mora em Milford (MA).

Imigrantes temem o fim do DACA Manifestantes protestam em frente à Casa Branca em apoio ao DACA.

O medo está tomando conta das comunidades imigrantes do MetroWest e região de Milford, em Massachusetts. O temor é que o presidente Donald Trump possa acabar com um programa criado na época do ex-presidente Barack Obama que protege jovens indocumentados trazidos ilegalmente para os Estados Unidos quando eram crianças.

Liderados pelo Prucrador-Geral do Texas, Ken Paxto, 10 procuradores republicanos enviaram para Trump um ultimato: “Ou ele começa a desmantelar o programa Deferred Action for Childhood (DACA) no dia 05 de setembro ou eles desafiarão a legalidade do programa em um Tribunal Federal.

Alice de Souza, uma imigrante brasileira que é dona de uma empresa na Main Street, em Milford, disse que conhece várias pessoas na cidade que dependem do DACA e a maioria deles é formada por jovens. “Sem o programa não sei o que eles farão. Todas essas crianças, hoje estão trabalhando, precisam pagar impostos. É bom para o país, é bom para o governo, então por que acabar com ele (programa)?”, disse.

Funcionários locais e especialistas dizem que é difícil prever o que o presidente Trump fará sobre o assunto.

O DACA, promulgado pelo presidente Barack Obama por meio de uma Ordem Executiva assinada em 2012, protege da deportação os imigrantes indocumentados trazidos para os EUA quando eram crianças menores de 16 anos e que tenham registros limpos para trabalhar, estudar, viajar e pagar impostos, por um período de dois anos.

Aqueles elegíveis para o programa devem registrar-se junto ao governo. Os participantes podem renovar suas autorizações a cada dois anos. Existem 18.788 residentes de Massachusetts que se encaixam nas regras do DACA, de acordo com o Serviço de Imigração e Cidadania dos EUA e cerca de 800 mil em todo o país.

Trump fez uma campanha contra o programa, mas já disse que seu interesse maior é em deportar imigrantes indocumentados que cometeram crimes, e não os beneficiados pelo DACA. Mas a Casa Branca está seguindo uma política diferente, de acordo com Jessica Vaughan, de Franklin (MA), diretora de estudos de políticas do Center for Immigration Studies.

"Certamente há lados conflitantes entre os principais assessores de Trump sobre o que fazer", disse ela. "A realidade é apenas uma – somente o Congresso pode resolver a situação”.

O fato de que está próximo o fim do DACA e a deportação dos beneficiados está promovendo o medo entre as famílias que temem ser separadas de entes queridos. Muitos inscritos no DACA têm irmãos que são cidadãos dos EUA.

"Toda essa incerteza leva a momentos estressantes para os imigrantes que estão aqui apenas para pagar impostos e dar uma vida melhor para suas famílias", disse o deputado estadual Brian Murray (D-Milford).

Ambos, Murray e o representante estadual Jack Lewis (D-Ashland), disseram que essas preocupações fazem parte do tema da conversa com muitos de seus eleitores imigrantes nos últimos meses.

Lewis disse que, enquanto Trump mostra que planeja se concentrar em criminosos, essas declarações se fazem mentirosas diante do que os residentes dizem sobre o que testemunham.

Um eleitor imigrante disse a Murray esta semana que uma amiga que conhecia teve o seu marido arrancado dela e de seus dois filhos e foi deportado apesar de não ter antecedentes criminais. "O DACA faz parte das conversas em curso desde que fui eleito, e o que ouvimos é que cada vez mais, pessoas que vivem na comunidade há anos, décadas, estão sendo levadas e colocadas em processo de deportação", disse Lewis.

A comunidade espera o dia 05 de setembro, que pode marcar mais uma ação de Trump no combate à imigração ilegal nos EUA.

Fonte: Redação - Brazilian Times