Publicado em 24/11/2017 as 1:00pm

Preso há 14 anos, brasileiro afirma que é inocente e pede ajuda

A redação do jornal Brazilian Times recebeu uma carta enviada por um brasileiro que está...

Preso há 14 anos, brasileiro afirma que é inocente e pede ajuda Em carta, brasileiro relata que está preso há 14 anos.

A redação do jornal Brazilian Times recebeu uma carta enviada por um brasileiro que está preso no East Jersey State Prision, na cidade de Rahway (New Jersey). Identificado por Luis Fernando da Silva, ele inicia o texto afirmando que vive um pesadelo há 14 anos e desde que foi acusado manteve sua posição de ser inocente.

Ele afirma que sua condenação se deve ao fato de haver preconceitos e várias lacunas no sistema jurídico que não foram preenchidas durante o julgamento. “Por um erro acabei me tornando um ‘dano colateral’ em uma investigação federal na cidade de Newark e em outros estados”, explica.

Outro problema citado por Fernando é que o advogado responsável pelo caso, Paul W. Bergrin, também está preso por ter sido considerado culpado por um Tribunal Federal em 2013 a “seis prisões perpétuas” sem direito a liberdade condicional. Ele foi julgado por crimes de lavagem de dinheiro, prostituição, tráfico de drogas e homicídio de várias testemunhas.

Fernando ressalta que em outubro de 2014 conseguiu renovar a sua petição no Supremo Tribunal de NJ devido a novas circunstâncias que surgiram depois que o caso de seu ex-advogado se tornou público.

“Estou pagando uma pena de 45 anos por um crime que não cometi. Contínuo apelando e tenho petições na corte de Trenton e na corte federal, mas sinceramente acredito que o ‘sistema’ tentará varrer meu caso para debaixo do tapete para não expor as falcatruas e corrupção que ocorrem no dia a dia nas cortes deste estado e país”, afirma.

O brasileiro escreveu para a redação do jornal em busca de ajuda para “tentar levantar algum tipo de conhecimento sobre sua causa e relatar que, possivelmente, vários brasileiros também estão sendo discriminados pela sua cor ou status de imigração em prisões federais”.

Fernando espera que a divulgação de sua história possa chegar ao conhecimento do público e “mostrar o injusto sistema jurídico” e chamar a atenção de alguma organização que possa levar esse apelo perante ao Ministério de Relações Exteriores e subsequente ao Palácio do Itamaraty.

“Como disse no começo, mantenho a minha inocência desse crime terrível cometido em Newark e tenho em minha propriedade material que não só provam a minha inocência mas também possivelmente podem prender os verdadeiros culpados. Informação cujo defesa e a promotoria tiveram acesso, mas optaram em não usar”, continua.

De acordo com o brasileiro, o advogado contratado para defende-lo, devido a um conflito de interesse não atuou com a sua completa capacidade “por medo de seus próprios crimes serem investigados” ao mesmo tempo pela mesma promotoria de Essex County. “Ele me deixou sozinho na frente de um juiz e um corpo de jurados sem preparação alguma para o julgamento”, afirma.

Fernando enviou alguns contatos para a redação do Brazilian Times, bem como documentos que estão sendo estudados pela reportagem para outra matéria que será publicada em edições futuras.

Fonte: Redação - Brazilian Times

Top News