Publicado em 4/04/2018 as 8:00am

México trava "caravana" de imigrantes que irritou Trump e dá vistos humanitários

Grupo que motivou tweets furiosos de Donald Trump está em fuga de perseguições e más condições de vida na América Central.

México trava Caravana tem mais de dois mil imigrantes e seguia para a fronteira dos EUA.

Um grupo de mais de mil imigrantes da América Central que se dirigia do Sul do México para os EUA começou a ser desmantelado, depois de o Presidente norte-americano ter escrito uma série de tweets a atacar as autoridades mexicanas. Mas as organizações humanitárias dizem que esta caravana de imigrantes não estava sequer preparada para chegar à fronteira – é, acima de tudo, uma forma de chamar a atenção para o drama da imigração naquela zona do mundo.

Todos os anos, desde 2010, organizações humanitárias como a Pueblo Sin Fronteras e a Casa del Migrante juntam no Sul do México algumas centenas de imigrantes, principalmente das Honduras, de El Salvador e da Guatemala, numa operação que a chamam “Via-Sacra do Migrante”, sempre na época da Páscoa.

São homens, mulheres e crianças que fariam essa viagem da América Central até à fronteira do México com os EUA de qualquer forma, mas que nesta altura do ano recebem a companhia de voluntários dessas organizações humanitárias – pelo caminho recebem informações sobre como pedir asilo no México e nos EUA, e circulam mais protegidos dos gangues e cartéis que exploram, sequestram e matam imigrantes.

No domingo, quando deu início a uma série de sete tweets consecutivos sobre o tema da imigração, o Presidente norte-americano apontou o dedo à “caravana” deste ano, organizada pelo grupo Pueblo Sin Fronteras.

Apesar de estas caravanas serem um acontecimento anual (e de serem constituídas, em maioria, por homens, mulheres e crianças em fuga de uma das zonas mais violentas do mundo à exceção dos países em guerra), o Presidente Trump usou a deste ano como um exemplo das consequências daquilo que descreve como as "leis liberais ridículas" do Partido Democrata e a suposta permissividade do México em relação à entrada de "grandes fluxos de droga e de pessoas" nos EUA.

Lou Dobbs, um conhecido apresentador da Fox Business Network, figura do movimento nacionalista conservador e conselheiro informal de Donald Trump, disse no Twitter que a caravana de imigrantes da América Central é "um exército de estrangeiros ilegais em marcha sobre a América".

Mas, num comunicado conjunto dos ministérios da Administração Interna e dos Negócios Estrangeiros, o Governo mexicano sublinhou que as autoridades norte-americanas estavam à corrente da situação, "tal como nos anos anteriores".

"Desde o dia 25 de Março, o Governo mexicano, através do Ministério da Administração Interna, manteve sempre informado o Governo dos EUA sobre o andamento da caravana, através da embaixada deste país na Cidade do México", lê-se no comunicado, publicado na noite de segunda-feira.

No mesmo documento, e sem nunca se referir diretamente às acusações do Presidente norte-americano, o Governo mexicano diz que "não promove a imigração irregular em nenhuma circunstância", e que a caravana em causa é "uma manifestação pública que tenta chamar a atenção para o fenómeno migratório e a importância do respeito pelos direitos dos imigrantes da América Central que, em muitos casos, se veem obrigados a deixar os seus lugares de origem em busca de melhores oportunidades, ou com a intenção de obter proteção internacional através da figura do 'refúgio'".

Fonte: Redação - Brazilian Times

Top News