Publicado em 7/07/2011 as 12:00am

Consumidor paga mais as dívidas e calote cai em junho

O consumidor pagou mais as dívidas em junho e o calote caiu. O número de consumidores inadimplentes incluídos no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) diminuiu 10,09% na comparação com maio, conforme aponta o indicador da CNDL (Confederação Nacional de Dir

Parcela da restituição do IR colocou mais grana no bolso dos brasileiros no mês passado

O consumidor pagou mais as dívidas em junho e o calote caiu. O número de consumidores inadimplentes incluídos no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) diminuiu 10,09% na comparação com maio, conforme aponta o indicador da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil, divulgado nesta quarta-feira (6)

Os inadimplentes são consumidores com dívidas em atraso superior a 90 dias.

De acordo com o relatório, esta queda no número de registros refletiu uma maior disposição dos consumidores em quitar suas dívidas e o maior cuidado em planejar as compras em função do Dia das Mães e dos Namorados.

A liberação do primeiro lote de restituição do Imposto de Renda, que injetou R$ 1,9 bilhão na economia, foi um dos motivos dessa queda. Com mais grana nas contas bancárias, o consumidor conseguiu colocar o orçamento em dia.

Para o presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior, a queda é positiva, mas a inadimplência ainda preocupa. De acordo com o economista, a economia continua aquecida e há uma demanda reprimida de classes sociais que estão ascendendo.

- O brasileiro não está fazendo a conta de quanto custa para ter aquele bem ou serviço. Além disso, o varejo não sofreu impacto das medidas macroprudenciais do governo. Isso tudo gera um impacto junto a demanda reprimida dessas classes sociais que estão subindo.

Na comparação entre junho deste ano e de 2010, no entanto, houve aumento de 6,9% nos registros recebidos no SPC. No acumulado do ano, a alta é de 4,25%.

Entre os fatores que contribuíram para o resultado, está o encarecimento do crédito, devido à elevação da taxa Selic, e a falta adequada de critérios para o uso do crédito mais caro nas compras com cartão e no uso do cheque especial.

Na análise dos registros cancelados no SPC Brasil, que ocorrem depois que a dívida é quitada, houve alta de 0,41% no mês passado.

Para os pesquisadores, esse resultado se deve ao aumento dos rendimentos e melhora no nível de ocupação, que faz com que os consumidores melhorem o orçamento e procurem regularizar seus débitos.

Para retirar o nome do cadastro, o devedor precisa procurar uma agência do SPC pessoalmente portando carteira de identidade e CPF. Caso vá realizar o processo por terceiros, deve-se fazer uma procuração com o CPF e data de nascimento do solicitante, com firma reconhecida em cartório.

Após a quitação do débito, o lojista tem 24h, a partir da data da confirmação do pagamento, para solicitar a baixa junto ao cadastro do SPC.

Quem tem nome sujo não pode fazer compras a prazo, ser avalista nem consegue financiamento em bancos. O devedor é informado via correio do débito pendente e tem 10 dias para pagar a dívida. Caso contrário, o nome é incluído no cadastro de inadimplentes do SPC. 

Fonte: R7.COM.BR